A NOITE DO LOBO - Conto de Terror - E. S. Siqueira



A NOITE DO LOBO


Onde que será que se meteu o Tião, perguntava Maria ao fechar a janela de tábuas da tapera onde viviam. Lá fora a lua cheia clareava a noite como se fosse dia. Dentro da casa, à luz de querosene, ela se preocupava com o marido. Foi até o quarto e caminhou até a cama onde estava a bebê de poucos dias, embrulhada nos panos. Sorriu ao ver a filha, admirando-a com amor e afeto. Deixou o quarto. Deve estar na venda, voltou a pensar no marido. Aquele home quando bebe esquece das horas. Caminhou pela pequena cozinha, mexeu em alguns vasilhames. Estava inquieta. Ele sabe que não gosto de ficar sozinha. Pegou a lamparina de querosene e voltou para o quarto, colocando-a sobre uma mesinha.
Deitou na cama, ao lado da filha e ficou pensando no batismo do dia seguinte. À tarde iriam até a vila da Guapiara, onde, na capela de Nossa Senhora, a pequenininha Ana seria batizada. Pensou nos padrinhos. Antônio Vaz e Cândida. Eram boas pessoas e saberiam cuidar da enteada. Virou-se na cama e ficou olhando a bebê dormir, sob a luz bruxuleante da lamparina. Lá fora, ventou. Maria podia ouvir o barulho das árvores. Uma coruja piou. Sentiu um arrepio e fez uma pequena oração. Voltou a pensar em Tião, preocupada e, ao mesmo tempo, brava. Era noite de sexta-feira, lua cheia e Maria tentou afastar da cabeça as histórias que sempre ouvira. Começou a sentir medo e rezou.
Maria sentou-se na cama, encostada na cabeceira. Rezava quando ouviu um grito do urutau. Sentiu um arrepio. Levantou-se e ficou caminhando pelo quarto. Onde aquele desgramado do Tião se meteu, perguntava-se. Ouviu um barulho no terreiro. Ficou atenta. Deve ser ele que está chegando. Odiava toda vez que o seu saía para a venda e ficava a noite toda. Escutou e ouviu um barulho. Os cachorros começaram a latir, furiosos. Maria ficou tensa. Não deve ser ele, os cachorros estão latindo. Seu coração disparou e ela sentou-se na cama, trêmula. Ouviu outra vez o urutau gritar. Seus pelos se arrepiaram. Lá fora, ouviu-se o barulho de novo. Os cães ladravam com raiva. Ouviu passos no terreiro.
Ela tremia, sem coragem de levantar-se e averiguar o que acontecia. Quase chorosa, rezava a Deus e pedia que Tião chegasse logo. Estava morrendo de medo. Lá fora, o barulho continuava. Os cachorros ladravam. O urutau gritava. Uma coruja gritou. Ventou. Maria soltou um ai-meu-deus e fez o sinal-da-cruz. Pegou o terço na cabeceira da cama e começou a desfiar as contas, rezando. Pai-nosso que estais no céu, santificado seja o vosso nome... Mais barulho, dessa vez perto da casa. Os cachorros ganiam, assustados. O urutau gritou. Maria tremia, nervosa. Olhou para a filha, rezando e pedindo proteção. Ave-maria, cheia de graça, o Senhor é contigo... Ouviu um rosnado, baixo. Os cachorros começaram a ganir, lamentando-se. Assustados.
Uma batida na porta. Maria deu um pulo. O terço na mão. Murmurava a quinta ou sexta Ave-Maria. Olhou para a cozinha, escura. Os ouvidos atentos. Outra batida na porta. Ela tremia. Será que é o Tião, perguntava-se. Uma batida. Maria se levantou, tremendo, entre os dedos o terço, passando as contas numa oração muda. Caminhou até a porta do quarto e encarou a entrada da casa. A porta estava fechada. Silêncio. Um dos cachorros ganiu. A coruja piou. Ela deu mais uns passos, tremendo. Outra batida, um arranhão. Deu um pulo. O coração disparou.
Voltou correndo para o quarto, chorando. Tremia de medo. O coração parecia querer pular para fora. Ouviu passos do lado de fora. O que quer que seja saíra da porta, percebeu a mulher. Ficou atenta. O urutau voltou a gritar: foi... foi... foi... Continuou a rezar o terço. Os cachorros ganiram assustados. Uivaram. Ai, Nosinhora, me ajuda, pediu num murmúrio. Voltou a ouvir passos rodando a casa. Orelhas em pé, os pelos arrepiado. Fez o sinal-da-cruz e continuou a rezar o terço. Quase desmaiou quando bateram na janela, perto da cama. Deu um grito. Ai, Nosinhora! Um arranhão na janela.
- É um lobisomem, meu Deus. Socorro, minha Nosinhora. Ave-Maria cheia de graça, o senhor é convosco, bendita seja entre todas as mulheres...
Outro arranhão. Uma batida mais forte. A janela estremeceu. Um rosnado. Ao longe, o urutau gritou. Foi... foi... foi... Maria tremendo de medo, deitou-se na cama e abraçou a bebê que acordou chorando. Ela tentou acalmar a criança que com custo parou de chorar. Outra batida na janela, mais forte. Um arranhão. Outro rosnado. Então, ela ouviu o uivo. Seu corpo todo tremeu de medo. Ele veio buscar minha filha porque num batizada.... Ai, Nosinhora, minha mãezinha, me ajuda, pelamor de Deus. Outro uivo e as batidas na janela ficaram mais forte. Maria deu um grito. Começou a rezar, pedindo ajuda aos céus. Tião, cadê ocê, meu Deus? Os arranhões continuaram. A madeira da janela tremia. Os uivos rompiam o silêncio da noite, juntando-se com o grito do urutau.
Os cachorros voltaram a latir furiosos. Os arranhões na janela pararam. Ouviu um outro rosnado. Os cães ganiram, amedrontados e ficaram quietos. Fugiram, pensou Maria. Me ajuda, minha Nosinhora! Ai, meu Deus! Socorro! Silêncio. Ela tentou ouvir algum ruído, mas nada acontecia. Começou a se acalmar. Ele se foi... Então, o uivo cortou a noite, bem perto, do outro lado da parede. Os arranhões na janela voltaram. Maria tremia. Chorava. Estava assustada. Continuava os arranhões contra a janela. Rosnados do lobisomem. Um uivo. Um grito do urutau. A madeira da janela tremia. Não resistiria por muito tempo. Maria chorava. A menina voltou a chorar, o que pareceu atiçar mais ainda o lobisomem.
Ao ouvir o choro da bebê, o lobisomem ficou mais nervoso. Arranhava com força a janela. Batia na madeira. Uivava. Podia sentir o cheiro da criança sem batismo. Seus instintos malignos acossavam-no. Bateu com mais violência contra a janela. Ouviu um grito de mulher. Uivou. O choro continuava. Farejou o ar e uivou. Arranhou a madeira, bateu, rosnou. Queria entrar. Estava nervoso. Aumentou a violência das batidas. Sentiu a madeira tremer, quase cedendo. Uivou e continuou na sua tarefa, sentindo cada vez mais a necessidade de se alimentar da criança sem batismo. Um cachorro latiu perto dele. A fera se virou e rosnou, mostrando os dentes e a garras para o cão. Este saiu correndo, ganindo, com o rabo entre as pernas.
Dentro do quarto, Maria soluçava. Já nem tentava acalmar a filhinha. Tremia. Perdeu a conta de quantas Ave-Marias havia rezado. Apertou o terço na mão e ficou olhando a janela que tremia. A tramela dela saltava a cada batida da criatura. Ela ouviu um uivo e um rosnado. Os arranhões continuam. Batidas. A madeira da janela a tremer. A tramela pulando, quase se soltando. Ave-Maria, cheia de graça, o Senhor é contigo... Um uivo. A fera parecia aumentar as pancadas. Percebeu que a janela não aguentaria e começou a chorar. Agarrou a filha no braço e correu para a outra parede, deixando-se sentar no chão. Embalava a bebê que chorava sem parar. A própria Maria chorava. Ai, meu Deus!
A janela tremeu. A madeira rangeu e a tramela se soltou, caindo no chão com um estalido. A janela bateu contra a parede num estrondo choco. Lá fora, banhada pelo luar, Maria viu a criatura mais horrenda. Cheia de pelos, um focinho enorme, cheio de dentes afiados à mostra num rosnado, olhos malignos. O lobisomem rosnou. Apoiou-se contra a janela e esforçou-se para entrar. A mulher ficou branca, quase desmaiou. Gritou. Tião! Meu Deus, socorro! Abraçou a bebê contra o corpo, numa tentativa de defesa. Começou a rezar, entre lágrimas.
O monstro pulou a janela. Um cheiro fétido tomou conta do quarto. A criatura deu alguns passos. Era enorme, peluda, corpo curvado. Dentes à mostra, afiados. Garras enormes. Peluda. Assustadora. Avançou. Maria gritou, estava quase desmaiando de medo. Ave-Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco... Rezava, misturando as palavras com as lágrimas e os soluços. Tremia. Estava aterrorizada. O lobisomem rosnou, mostrando as presas. Inclinou-se sobre a mulher e agarrou seus braços. Maria gritou. Lá fora, o urutau gritou.
O braço estava doendo, as garras entrando em sua carne. Maria tremia. Chorava. Rezava. Gritou. O monstro a atacou. Sentiu sangue correndo. Estava ferida. Com força, a criatura arrancou de seus braços a bebê chorosa. Ficou parado, olhando a nenê nos seus braços. Na boca, saliva escorria. Maria gritou, levantando-se. Adiantou-se, tentando tirar a menina do lobisomem. O monstro lhe deu um golpe com a pata, jogando-a contra a parede. Choro. Maria chorava. A menininha chorava. O lobisomem olhava ora para a criança, ora para a mulher. Levantou a cabeça e uivou.
Mordeu a criança, que gritou. O grito de dor confundiu-se com o grito de horror de Maria. Ela se levantou e atacou o lobisomem. Ele levantou a cabeça, sangue escorrendo pelo focinho. Um olhar maligno para a mulher e a afastou. Atacou a menina. O grito de dor da bebê ressoou, morrendo aos poucos, enquanto sua vida esvazia. Enquanto o lobisomem dilacerava a carne. Sangue pingando no chão. Sangue na boca da criatura. Maria gritava, chorava, rezava.
Avançou contra o monstro. O lobisomem jogou o corpo sem vida no chão e atacou a mulher. Ela sentiu as garras entrando em sua carne, rasgando, perfurando. Gritou. Lutou em vão. Outro grito do urutau. O lobisomem rosnou. Mordeu sua vítima, rasgando um pedaço de carne. Engoliu e uivou. Atacou mais uma vez Maria. A mulher sentia seu corpo doer, a consciência se apagando aos poucos. O sangue esvaindo-se. A fera atacou, rasgando carne, mergulhando o focinho no sangue quente. Mastigando a carne macia. Maria viu a escuridão. Foi perdendo os sentidos.
Morreu.
O lobisomem continuou a carnificina. Ora atacava o corpo da mãe ora o da filha. Saboreando cada pedaço de carne, bebendo o sangue. O quarto ficou banhado em sangue, tripas, pedaços de carne. Uma verdadeira carnificina. Lá fora, o urutau gritava, perto da casa. Os cachorros ladravam de vez em quando. De repente, o lobisomem se levantou. Farejou o ar e uivou. Com um rosnado caminhou até a janela e pulou, caindo no terreiro. Os cães latiram. Ele rosnou. Silêncio. Um grito do urutau. Foi... foi... foi... A criatura saiu correndo, pulando a cerca, numa corrida pelos pastos. No céu, a lua cheia estava quase chegando no horizonte. O alvorecer se anunciava.
Correu. Ainda havia sangue no focinho e nas garras. Atravessou o campo, pulou valas, passou sob árvores. Ganhou a estrada e correu. Correu. Parou um instante, levantou-se para a lua e uivou. Voltou a correr. Chegou numa encruzilhada e parou. Uivou uma outra vez. No Leste, os primeiros raios de sol se anunciavam. A alvorada caminhava, ganhando terreno. O lobisomem começou a se esponjar no chão. Esfregava-se na terra, de um lado para o outro. O dia raiando e a criatura se transformando. As garras desaparecendo. O pelo sumido. Um último uivo. Um rosnando e um corpo humano começou a se formar. Rapidamente, quando o sol se levantava, um homem apareceu no chão. Atordoado, levantou-se. Estava nu, sentia um gosto de ferrugem na boca, um cheiro estranho. Olhou ao seu redor e não viu nada. Tremia de frio.
Percebendo que estava nu, o homem se assustou. Apalpou seu corpo. Passou a mão na cara e sentiu algo pegajoso. Sangue. Procurou uma ferida e não encontrou nada. Sem nada entender, saiu da estrada, entrou pelo pasto e correu para casa. Tião corria, nu. Seu coração estava apertado. Pressentia uma tragédia. Esquecera-se de sua noite de lobo, apenas corria. Temia ser visto. Lágrimas caíram de seus olhos.
A noite de lobo acabou, o dia de dor começava.


E. S. Siqueira é o pseudônimo de Edmilson Souza Siqueira. Nascido em Carvalhos/MG, formado em Pedagogia, é funcionário público estadual. Participou das antologias: Círculo do Medo, Tratado Oculto do Horror e Sabor da Paixão (Andross Editora); Um céu e estrelas (Editora Villa-Lobos); Psicopatas (Young Editorial); Batalhas Imortais (Darda Editora).






Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário