O CASO DE LADY SANNOX - Conto Clássico de Horror - Arthur Conan Doyle



O CASO DE LADY SANNOX
Arthur Conan Doyle
(1859 – 1930)

Todos conheciam as relações do ilustre cientista Douglas Stone e de Lady Sannox, figura brilhantíssima dos círculos sociais. Por isso mesmo, não faltou quem tecesse comentários quando se divulgou a notícia de que Lady Sannox havia-se recolhido a um convento e de que o famoso cirurgião Douglas Stone, o homem dos nervos de ferro, fora encontrado pelos criados, certa manhã, sentado em frente ao leito, rindo como um demente, abraçado a um almofadão... O seu grande talento se diluíra nas trevas da loucura.

Douglas Stone era notável pelo sangue frio, precisão e equilíbrio com que realizava as mais difíceis operações. Entre os grandes cirurgiões de Londres, ele era dos que conseguiam maiores rendas em virtude de sua numerosíssima e distinta clientela. Sempre inclinado a divertir-se, sem tomar nada a sério, prendeu-se subitamente aos encantos de Lady Sannox. Entretanto, ela, se bem que para ele fosse a única, não o tinha, nem podia ter, na mesma conta.

Lorde Sannox era um cavalheiro silencioso, reservado que, embora coutasse apenas trinta e seis anos, parecia ter cinquenta. Afeiçoado ao cultivo das flores, amava a quietude do lar. Outrora a sua paixão favorita fora o teatro e até mesmo o explorara, como se explora um negócio qualquer. Foi então que conheceu a senhorita Marion Dawson, com quem contraiu matrimônio. Depois, perdeu o entusiasmo pelo teatro e passou a se dedicar apenas às orquídeas e aos crisântemos.

Conheceria ele a vida frívola de sua esposa? Sofreria com resignação ou ignorava o que se passava? Todos faziam essa pergunta. E já não cabia dúvida: ele sabia até que ponto chegava o flerte de Lady Sannox e Douglas Stone. Os rumores da maledicência se espalhavam. As sociedades científicas já pretendiam riscar o nome de Douglas da lista de seus sócios.

O idílio, entretanto, prosseguia.

Uma noite, borrascosa e úmida, Douglas Stone esperava, nos seus aposentos, que chegasse a hora do seu encontro com Lady Sannox, aprazado desde a véspera. Eram oito e meia e já se dispunha a pedir o seu carro, quando ouviu soar a campainha e ouviu, instantes depois, passos no corredor. O criado logo apareceu e anunciou:

— Um cavalheiro deseja falar com o doutor. Parece-me que vem chamá-lo para atender a um doente... Aqui tem o seu cartão.

Stone leu no quadrângulo de cartolina: "Hamil AliEsmirna". Disse ao criado:

—Tenho que pedir-lhe que me dispense. Tenho um compromisso... Faça-o entrar, Jim, que preciso falar-lhe...

O criado deu entrada a um homem baixo, raquítico, ligeiramente corcunda e cujo semblante contraído revelava acentuada miopia. A tez era escura, a barba e o bigode inteiramente negros e trazia nas mãos um turbante de musselina, com listras negras e roxas.

— Boa noite, cavalheiro — disse-lhe Douglas. — Suponho que o senhor fala inglês, não é mesmo?

—Sim, ainda que com certa dificuldade. Sou da Ásia Menor...

—Deseja que eu o acompanhe a alguma parte?

—Sim, doutor. Desejo que venha ver minha esposa.

—Mas esta hora é demasiado tarde.

—Porém, o caso é de urgência — replicou o turco. — Aqui tem o doutor cem libras pelos seus serviços e prometo que não durará uma hora...

Douglas Stone mirou o punhado de moedas reluzentes que o árabe lhe estendia e, em seguida, o relógio, verificando que, com a demora de uma hora apenas, o seu encontro não ficaria prejudicado. Assim, resolveu não perder tão boa ocasião.

—De que se trata? — perguntou.

—De um caso muito triste. Já ouviu o doutor falar nas adagas dos Almohadis?

—Não.

— Pois bem, são umas adagas muito antigas, de uma forma particular, com uma empunhadura parecida com as que vocês chamam de estribo. Sou comerciante de antiguidades e vim a Londres a negócios, devendo regressar a Esmirna na semana vindoura. Entre as curiosidades que eu trouxe, há uma daquelas armas...

 —Permitia-me recordar-lhe que eu tenho um compromisso e que é necessário dispensar os detalhes e limitar-se ao fato, que é apenas o que me interessa...

—É de suma importância o que estou relatando. Acontece que minha esposa desmaiou no quarto em que tenho as mercadorias e, caindo, feriu-se no lábio com essa maldita adaga.

—Compreendo. Quer o senhor que eu faça a sutura da ferida...

—Não. O caso é mais grave. A adaga está envenenada.

—Envenenada?

—Sim. E não se sabe se existe algum contraveneno. As pessoas feridas dormem, em profundo sono, durante trinta horas... E depois, a morte...

—Mas, se não há cura, por que razão quer pagar-me tanto dinheiro?

— Com remédios nada se conseguirá. Mas meu pai costumava dizer: "Se a ferida foi no dedo, é necessário cortá-lo". Teremos de usar o bisturi. O veneno somente depois de muitas horas se espalha no organismo. Nas primeiras, fica concentrado no lugar da ferida. Imagine, porém, o lugar em que se feriu minha esposa... É horroroso!

—Mas, se é a única salvação, é melhor perder o lábio do que a vida, — replicou Stone, que, tomando a sua caixa cirúrgica, se pôs a caminho, com o turco, que deixara um automóvel à porta.

Quando chegaram à casa do mercador, uma velha, que trazia uma lâmpada na mão, veio abrir a porta.

—Como está? — perguntou com angústia o comerciante.  —Já falou?

—Não, senhor, — respondeu a velha — O seu sono continua tão profundo como quando a deixou...

E ambos seguiram a velha, entrando em um aposento de aspecto oriental, cheio de figuras grotescas, de utensílios primitivos, de armas exóticas, iluminado por uma débil lâmpada de azeite. Deitada sobre um sofá, estava uma mulher, com o rosto coberto pelo yashmak, o véu que as mulheres turcas costumam usar. A parte inferior do rosto estava descoberta e o médico pôde ver, no lábio inferior, uma pequena mas profunda incisão.

—Peço permissão para que ela conserve o yashmak — disse o turco —, pois os nossos costumes religiosos impõem às nossas mulheres esse dever...

O médico nem sequer respondeu. Para ele, ali não havia uma mulher, mas apenas um caso. Auscultou-a e, como não notasse sintoma algum, declarou que achava que se poderia adiar a operação. O turco, porém, novamente o advertiu de que o veneno era mortal e que só a operação imediata poderia salvá-la.

—Assegura o senhor, por experiência própria, que é indispensável a operação? — indagou Stone, levado pelo escrúpulo profissional.

—Juro-o por tudo quanto há de mais sagrado!

—O rosto dela, todavia, vai ficar horrivelmente desfigurado.

—Estou certo de que a sua boca já não inspirará o desejo de um beijo... Mas é necessário... É imprescindível...

Ao ouvir esse brutal comentário, Douglas Stone voltou-se bruscamente. Não era ocasião para entrar em discussões. Apanhou os seus instrumentos cirúrgicos e aproximou a lâmpada. Sob o véu, apenas se distinguia o brilho amortecido dos olhos da narcotizada. O médico quis fazer uso do clorofórmio. O turco, porém, se opôs, declarando que o veneno da adaga por si só já produzia uma espécie de quase letargia. Douglas tomou o bisturi e com três rápidos cortes seccionou o lábio inferior da enferma.

A mulher, soltando um grito de terror, ergueu-se do sofá. O véu caiu. E, apesar do sangue que lhe banhava o rosto, dolorosamente mutilado, Stone verificou que conhecia intimamente aquela mulher.

Olhou para o homem que o levara àquela casa sombria. Esse, rapidamente, arrancou a barba e o bigode. Em vez do turco de Esmirna, era Lorde Sannox quem diante dele aparecia. Douglas Stone quedara mudo e imóvel, pela surpresa assombrosa. A mulher, soluçando, deixou pender a cabeça maravilhosamente loura. E Lorde Sannox sorria...

Foi ele quem primeiro falou:

—A operação era, na realidade, indispensável a Marion. Não física, mas moralmente. O doutor não concorda comigo?

Douglas Stone não respondeu. Não ouvia nada.

—Há tempos eu queria dar-lhes um pequeno castigo — prosseguiu Lorde Sannox. — Saiu tudo às mil maravilhas... Só lastimo que o doutor não tivesse a perspicácia de verificar que a ferida não foi praticada com uma adaga, mas com o meu anel-sinete...

Douglas Stone, nesse momento, desatou a rir, a soltar enormes gargalhadas. Lorde Sannox imediatamente se pôs sério e abandonou o quarto, sem fazer ruído.

—Espere aqui até que a senhora desperte — disse o falso turco à velha que lhe abriu a porta.

E, chegando à rua, ordenou ao chofer:

 —John, leve primeiro o doutor à sua casa. Creio que você terá de arrastá-lo pela escada abaixo. E diga aos seus criados que o "caso" o excitou um pouco...

—Está bem, senhor...

—E depois levará Lady Sannox à casa...

 —E o senhor, Lorde Sannox?

—Ah! O meu endereço passará a ser o Hotel di Roma, em Veneza... Mandem para lá a minha correspondência...

E, ajustando o turbante à cabeça, recomendou:

—E diga ao Stevens que não se esqueça de mandar orquídeas à exposição de floricultura...


Texto traduzido e  condensado de “The case of Lady Sannox”, de Arthur Conan Doyle,  por autor desconhecido do séc. XX. Fonte: “A Noite Ilustrada”, edição de 8 de julho de 1931.
Ilustração de Martin van Maële (1863 – 1926).

Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário