O FANTASMA MORDIDO - Conto Clássico de Terror - Pu Songling


O FANTASMA MORDIDO
Pu Songling
(1640 – 1715)
Tradução (indireta) de Paulo Soriano

Eis a história que me contou Chen Li-Cheng:
Certo amigo seu, já idoso, estava deitado, à hora da sesta de um dia de verão, quando viu, meio adormecido, a vaga figura de uma mulher que, eludindo a porteira, introduzia-se na casa vestida de luto: touca branca, túnica e saia de cânhamo. Dirigiu-se aos cômodos interiores e o velho, a princípio, pensou que era uma vizinha que lhe vazia uma visita.  Então, ele pensou: “como alguém se atreveria a entrar na casa alheia com semelhante indumentária?”
Enquanto permanecia imerso na perplexidade, a mulher voltou sobre os próprios passos e penetrou no quarto.  O velho homem a examinou atentamente: teria a mulher uns trinta anos. O tom amarelado de sua pele, o seu rosto intumescido e o seu olhar sombrio conferiam-lhe um aspecto terrível. Ia e vinha pelo quarto, aparentemente sem qualquer intenção de abandoná-lo. Aproximou-se da cama. Ele fingia dormir para melhor observar os seus movimentos.
De repente, ela levantou um pouco a saia e saltou para a cama, sentando-se no ventre do ancião.  Parecia pesar três mil libras. O velho homem conservava por completo a lucidez, mas, quando tentou erguer a mão, encontrou-a como que agrilhoada. Tentou mover um pé, mas este estava paralisado. Abrumado de terror, tratou de gritar, mas, infelizmente, não era dono da própria voz. A mulher, entretanto, fuçava-lhe o rosto, as bochechas, o nariz, as sobrancelhas, a testa. Por todo o rosto, o ancião sentia o seu hálito, cujo sopro gelado penetrava-lhe até os ossos. Imaginou, então, um estratagema para livrar-se daquela angústia: quando ela chegasse ao queixo, ele tentaria mordê-la. Pouco depois a mulher, de fato, inclinou-se para farejar-lhe o queixo. E o velho a mordeu com todas as suas forças, tanto que os dentes penetram na carne.
Sob o impacto da dor, a mulher atirou-se ao chão, debatendo-se e chorando, enquanto ele apertava as mandíbulas com mais energia. O sangue escorria por seu queixo e inundava o travesseiro. Em meio a esta luta encarniçada, o velho ouviu, vinda do pátio, a voz de sua mulher.
— Um fantasma! — ele gritou imediatamente.
Mas, assim que abriu a boca, a entidade monstruosa desapareceu como um suspiro.
A mulher correu à cabeceira do marido. Não viu nada e zombou da ilusão causada — pensou ela — por um pesadelo.  Mas o velho insistiu em sua narrativa e, como prova evidente, lhe mostrou a mancha de sangue: parecia água que penetrara por uma fissura do teto e empapara o travesseiro e o tapete.  O velho aproximou o rosto da mancha e respirou uma emanação pútrida. Sentiu-se dominado por um violento acesso de vômitos e, durante muitos dias, permaneceu com a boca empesteada, donde fluía um hálito nauseabundo.


Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário