Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2019

O HOMEM-PEIXE - Conto Clássico Fantástico do Séc. XVIII - Pedro Nisa Robes de Melo

Imagem
O HOMEM PEIXE Ou O EXTRAORDINÁRIO CASO DE FRANCISCO DA VEIGA (Cordel português do século XVIII) Pedro Nisa Robes de Melo (Séc. XVIII)

Os folhetos de cordel – chamados de papéis volantes – inundavam as ruas e praças de Lisboa no século XVIII. Assim como os nossos, eram escritos para o povo numa linguagem popular. Era – diz-nos Clara Pinto Correia – num português plebeu que se imprimiam os folhetos anônimos de dez páginas, vendidos na esquina da rua por dois centavos. Escrevia-se num português das massas, que era o único que todas as massas que sabiam ler o faziam com avidez.
Nesses papéis volantes pululavam fatos e feitos extraordinários, fantásticos, formidáveis. Tais folhetos, relembra-nos a historiadora Mary Del Priori, prendiam a atenção e respiração de seus leitores, mergulhando-os num mundo fantasmagórico e de fantasmagorias. Monstros, aberrações e eventos prodigiosos enchiam de terror os homens do povo numa época em que o absurdo era plausível e a superstição milenar não se deixava per…

O CORAÇÃO PERDIDO - Conto Clássico Fantástico - Emilia Pardo Bazán

Imagem
O CORAÇÃO PERDIDO Emilia Pardo Bazán (1851 – 1921) Tradução de Paulo Soriano

Passeando, certa tarde, pelas ruas da cidade, vi que havia no chão um objeto vermelho. Baixei-me: era um sangrento e vivo coração, que apanhei cuidadosamente. “Alguma mulher deve tê-lo perdido”, pensei, ao observar a brancura e a delicadeza da terna víscera que, ao contato de meus dedos, palpitava como se estivesse dentro do peito de seu dono. Eu o envolvi, esmeradamente, num lenço branco e o guardei, escondo-o sob a minha roupa. Dediquei-me a averiguar quem seria a mulher que havia perdido o coração na rua. Para melhor investigar, adquiri uns óculos maravilhosos, que permitiam enxergar através do corpete, da roupa interior, da carne e das costelas — como por esses relicários que são o busto de uma santa e têm no peito uma janelinha de vidro — o lugar que ocupa o coração.

Assim que pus os meus óculos mágicos, fitei ansiosamente a primeira mulher que passava e — oh, assombro! — vi que a mulher não tinha coração. El…

O SEGREDO DO PATÍBULO - Conto Clássico de Horror - Villiers de L’Isle Adam

Imagem
O SEGREDO DO PATÍBULO Villiers de L’Isle Adam (1838 – 1889) Tradução de Paulo Soriano
Num dos mais macabros episódios de “Um Mil e Um Fantasmas”, Dumas narra a história de um jovem médico que, após salvar, nas ruas da Paris revolucionária, a vida de uma aristocrata fugitiva, é protagonista de uma horripilante experiência científica. No conto “O Segredo do Patíbulo”, Villiers de L’Isle Adam (1838 ― 1889) retoma o mote inaugurado por Dumas e o explora aos últimos limites: um médico condenado à morte por decapitação recebe a visita de um colega cientista que o convida a participar, como cobaia, de um não menos aterrorizante experimento post-mortem.

Ao Sr. Edmond de Goncourt[1]
As recentes execuções fizeram-me lembrar de uma história extraordinária. Ei-la:
Na note de 5 de junho de 1864, às sete horas da noite, o Dr. Edmond-Désiré Couty de la Pommerais, recentemente transferido da prisão de Conciergerie[2] para a de Roquette[3], estava sentado, metido numa camisa de presidiário, na cela dos conde…