Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2018

UMA VINGANÇA CRUEL - Conto Cássico Cruel - Honoré de Balzac.

Imagem
UMA VINGANÇA CRUEL
Honoré de Balzac (1799 – 1850)
(Texto adaptado)


A cem passos de distância da pequena vila de Vendôme, jaz, sobre as margens do Loire, uma casa antiga e arruinada, coroada de altos tetos, solitária, sem asquerosos cortumes, sem péssimas estalagens por vizinhos.
Em frente a essa habitação há um jardim que olha para o rio, mas o buxo, que no passado desenhava as a aleias, cresce ali hoje a seu bel-prazer; os salgueiros que o Loire alimenta, elevaram-se rapidamente; as plantas parasitas enfeitam com a sua bela vegetação o talude da ribanceira, e as recortadas árvores frutíferas de há muito que não são podadas.
Contudo, fácil é perceber, do alto da montanha, onde jazem as ruínas do vetusto castelo dos duques de Vendôme, que essa habitação fizera, em tempos muito remotos, as delicias de algum gentil-homem de velhos pergaminhos, admirador de rosas, de dálias e de jasmins, e, por ventura, de boas frutas também. E, na verdade, vê-se ainda os restos de um caramanchão e uma mesa qu…

O CARRASCO DE JEAN-LUC CHIENDENUIT - Conto de Horror - Aldo Addobbati

Imagem
O CARRASCO DE JEAN-LUC CHIENDENUIT
Por Aldo Addobbati

Se tens disposição, embora não gostes nem um pouco de vinho tinto da Campanha, batizado às escondidas por Pauline, a filha mais jovem de Madame Desmoulins (e sob as ordens desta), bem podes abandonar a Praça da Revolução, onde o verdugo acabara de exibir ao público a última cabeça decepada da tarde, e, quebrando pela Rua de Mondovi, penetrar na obscura Taverna do Dragão.
É claro que não é o vinho batizado o que te atrai, nem é a umidade das paredes de pedra crua o que te impele ao inevitável. Não te seduz a escuridão implacável e pegajosa que, poeticamente, abafa e suga o lume dos castiçais e candelabros de ferro retorcido. Tudo isto, decerto, aprofunda o enlevo da doce melancolia de um estudante apaixonado. Não estás, porém, neste antro pestilento, insalubre até a alma, para embriagar-te do vinho aguado da Campanha, ou afogar-te nas trevas de tão inspirador ambiente — cuja sórdida beleza só as almas mais taciturnas e melancólicas com…