AS CIRCUNSTÂNCIAS E AS CAUSAS DA MINHA MORTE - Conto de Terror - Gustavo Felicíssimo


AS CIRCUNSTÂNCIAS E AS CAUSAS DA MINHA MORTE
Por Gustavo Felicíssimo

Estava quase no alvorecer do dia. Eu caminhava cansado após longa noite de excessos. Não raciocinava bem. Mas despertei subitamente quando vi à minha frente o que parecia ser um corpo morto. Seu aspecto esverdeado e o inchaço demonstravam que havia entrado em decomposição há pelo menos um dia. Tanto que ao seu redor havia muitas moscas. Era uma mulher de corpo escultural e estava seminua. Mas o tempo começava a deteriorá-lo lentamente a fim de devolvê-lo à natureza sem a oportunidade de uma cerimônia fúnebre que estivesse à altura de sua beleza. Imaginei que àquela hora o seu ventre abrigava multidões de vermes microscópicos e larvas que vagavam entre fezes e podridões. Agora ele dava vida às mais estúpidas criaturas que o comiam aos beijos e sugavam seu sangue como se bebessem o mais nobre de todos os vinhos. Passado o espanto e a náusea fui me aproximando. Mirei-lhe, então, o sexo por debaixo da lingerie. E os seios ainda formosos. Aproximei-me um pouco mais. E mais um pouco ainda. Foi quando tive a sensação de que algum espasmo fazia tremer-lhe as pálpebras dos seus olhos azulados. Então me deitei sobre o corpo. Minha boca estava a meio palmo da boca daquele cadáver já sem calor algum.

Foi quando senti uns dedos muito fortes, como se fossem garras poderosas, segurando-me pela jugular. E aquele rosto bonito de repente se transformou em algo medonho que me olhava fundo nos olhos e sorria assombrosamente. E cada vez mais apertando fez cessar a corrente do sangue para o meu crânio. Até que desfaleci. Agora me encontro em uma câmara fria, na companhia quase solitária de um necropsista e seu ajudante que tentam em vão descobrir as circunstâncias e as causas da minha morte.


Gustavo Felicíssimo, natural de Marília/SP, é poeta, contista, cronista e editor. Reside desde 2007 em Itabuna/BA, onde dirige a premiada editora Mondrongo. É autor de vários livros, dentre eles Carta a Rubem Braga (crônicas, 2017) e Desordem (poesias, 2016).

Imagem: Enrique Simonet Lombardo (1866 - 1927).

Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário