UMA TERRÍVEL VINGANÇA - Conto Clássico de Terror - Giraldus Cambrenis


UMA TERRÍVEL VINGANÇA
Giraldus Cambrenis
(1146 – 1223)
Tradução indireta de Paulo Soriano

O senhor de Chateau-roux, na França, mantinha no seu castelo um homem a quem castrou, e cujos olhos havia perfurado.

Este, por força de um longo hábito, retivera na memória todas as passagens do castelo e os degraus que levavam às torres.

Aproveitando uma oportunidade de vingança, e planejando a aniquilação do jovem rapaz — o único filho e herdeiro do suserano do castelo —,  o cego, após trancar as portas interiores do castelo, levou o garoto ao cimo de uma torre alta, de onde foi visto com grande preocupação pelo povo que se reunira embaixo. Para lá apressou-se o pai do menino e, tomado pelo terror, tentou, por todos os meios possíveis, obter o resgate de seu filho.

O cego respondeu que poderia libertar o garoto, mas com a condição de que o senhor provocasse em si mesmo a mesma mutilação genital que lhe havia infligido.

O pai, tendo em vão implorado misericórdia, por fim acedeu. Então, com ardil, aplicou no próprio corpo um violento golpe. E as pessoas ao seu redor irromperam em gritos e lamentos, como se ele tivesse realmente sofrido a mutilação.

O cego perguntou-lhe onde sentia a maior dor. Quando o senhor respondeu que lhe doíam os rins, o cego disse-lhe que era mentira, e que estava preparado para precipitar o menino torre abaixo.

Um segundo golpe foi dado, e o senhor do castelo assegurou que o que mais lhe doera fora o coração. O cego, expressando sua incredulidade, novamente conduziu o menino à ameia da torre. Na terceira vez, porém, o pai, para salvar o seu filho, realmente se castrou. E quando exclamou que o que mais lhe doíam eram os dentes, disse-lhe o cego:

— Correto. Como um homem que passou por semelhante experiência, vejo que falas a verdade. Mas apenas em parte tu me vingaste os ferimentos. Eu encontrarei a morte com a maior das satisfações; tu, porém, jamais poderás gerar outro filho, nem encontrarás consolo para a desgraça que te sucedeu.

Então, levando consigo o garoto, atirou-se do alto da torre. Ao caírem ao solo, tiveram os membros fraturados, e ambos expiraram instantaneamente.

Pela alma do garoto, o cavaleiro ordenou que, no local, fosse construído um mosteiro, e este, que ainda está em pé, chama-se De Doloribus.[1]


[1] A agonia.

Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário