UM FATÍDICO CASAMENTO - Narrativa Clássica de Terror - Montague Summers

 



UM FATÍDICO CASAMENTO

Montague Summers

(1880 – 1948)

Tradução de Paulo Soriano

  

Uma história do século XVIII conta a história de uma família tártara, de uma casa da mais alta importância, que vivia em Pequim, e cujo filho era noivo de uma dama de linhagem igualmente antiga e aristocrática.

No dia do casamento, como é o costume chinês, a noiva foi levada à casa do noivo numa liteira cerimonial, e esta, de acordo com as tradições, estava cuidadosamente fechada, com os reposteiros cerrados. Acontece que, no instante em que a liteira passava por um velho túmulo, um súbito vento, forte e fugaz, levantou uma densa nuvem de poeira. Quando o cortejo chegou ao destino, saíram da liteira duas noivas idênticas em todos os detalhes.

 


Era impossível, a essa altura, interromper as núpcias.  Mais tarde, à noite, os mais penetrantes gritos foram ouvidos na câmara nupcial. Quando a porta foi arrombada, o marido caiu inconsciente no chão, enquanto uma das noivas jazia, deitada, com os olhos arrancados e o rosto coberto de sangue. Não se via qualquer vestígio da segunda noiva; todavia, após a busca feita com lanternas e archotes, um pássaro enorme e terrível, com manchas negras e cinza, dotado de garras formidáveis ​​e um bico de abutre, foi descoberto empoleirado sobre uma viga do telhado. Antes que pudessem lançar mãos às armas, a coisa monstruosa desapareceu rapidamente, adejando porta afora.

Quando o marido recobrou os sentidos, contou que uma das noivas o havia golpeado repentinamente no rosto com sua manga ricamente bordada, cujas joias, atingindo-o, o deixaram atordoado por um momento. Um segundo depois, um enorme pássaro voou sobre ele e vazou-lhe os olhos com o bico vulturino.  

O hediondo vampiro havia cegado o casal recém-casado.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O RETRATO OVAL - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O CORAÇÃO DELATOR. Conto clássico de terror. Edgar Allan Poe