O FANTASMA DA AIA - Narrativa Clássica Sobrenatural - Catherine Crowe

 



O FANTASMA DA AIA

Catherine Crowe

(1803 – 1876)

Tradução de Paulo Soriano

 

Um fato deveras singular sucedeu à talentosa autora de "Cartas do Báltico"[1], do qual meus leitores podem formular a interpretação que lhes aprouver. Ei-la:

Na noite anterior à sua partida de Petersburgo, ela passou na casa de um amigo. O cômodo que lhe destinaram era um grande refeitório, no qual puseram uma cama provisória e um biombo disposto de maneira a conferir uma atmosfera confortável ao recanto onde ficava o leito em que ela se recolheu para dormir. Ninguém que a conheça pode suspeitar que ela experimentara meras ilusões espectrais ou que fora incapaz de saber exatamente aquilo que via.

Como deveria dar início à sua viagem no dia seguinte, pedira para ser chamada uma hora antes de partir. Assim, no dia seguinte,  ela se viu acordada por uma velha mulher, vestida com um traje russo completo, que olhou para ela e acenou-lhe com a cabeça, a sorrir, com isto querendo dizer, conforme supunha a escritora, que era hora de se levantar.

Sentindo-se, porém, muito sonolenta, e muito pouco disposta a fazê-lo, pegou o relógio sob o travesseiro e, olhando-o, percebeu que eram apenas quatro horas da manhã.

Como, pela roupa da velha, ela sabia que era russa — e, portanto, provavelmente não entenderia nenhuma palavra que pudesse pronunciar —, balançou a cabeça e apontou para o relógio, dando-lhe a entender que ainda era muito cedo.

A mulher olhou para ela, acenou com a cabeça e saiu, enquanto a viajante se deitava novamente e logo adormecia.

De súbito, uma batida na porta, seguida da voz da empregada, que ela pretendia chamar, a despertou. Mandou que entrasse. Estando, todavia, a porta trancada por dentro, ela teve que sair da cama para recebê-la.

Ocorreu-lhe, agora, perquirir como a velha havia entrado anteriormente, mas, tomando como certo que haveria algum outro meio de entrada, não vez caso disto. Tendo-se vestido, desceu para o café da manhã.

Naturalmente, como de costume, perguntaram à hóspede se dormira bem.

— Perfeitamente — disse ela. — Só que uma de suas boas pessoas de casa estava ansiosa demais para acordar-me pela manhã.

Então ela mencionou a visita da velha. Mas, para sua surpresa, eles declararam que não tinham tal pessoa na família.

— Deve ter sido alguma velha aia, ou lavadeira, ou alguém assim — sugeriu ela.

— Impossível — responderam. — Você deve ter sonhado estas coisas. Não temos nenhuma senhora idosa em casa, e ninguém usa uniformes assim. E pessoa alguma poderia ter entrado, eis que a porta já estava trancada.  

Os criados confirmaram plenamente aquelas assertivas.

Acrescento, ainda, que a casa, como as casas estrangeiras em geral, consistia num apartamento, ou piso, fechado por uma porta que o separava inteiramente do resto do prédio e, estando no alto da rua, ninguém poderia aceder a ele por uma janela.

A senhora, começando a ficar intrigada, perguntou se havia alguma segunda entrada no quarto. Mas, para sua surpresa, disseram-lhe que não havia. Então ela mencionou que havia trancado a porta ao ir para a cama, e assim a encontrou pela manhã.

O acontecimento permaneceu, para sempre, totalmente inexplicável, e a família, que ficou muito mais espantada com isso do que ela mesma, acreditaria de bom grado ter sido apenas um sonho. Mas, seja qual for a interpretação que se dê ao caso, ela se sente bastante segura de que não é essa a verdade.



[1]Lady Elizabeth Eastlake (1809 – 1893), escritora inglesa.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O RETRATO OVAL - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O CORAÇÃO DELATOR. Conto clássico de terror. Edgar Allan Poe