VASILISA, A BELA - Conto Clássico de Terror - Aleksandr Afanasiev


VASILISA, A BELA

Aleksandr Afanasiev

(1826 – 1871)

 

Em um certo reino vivia um mercador que tinha uma única filha, Vasilisa, a Bela. A mãe morreu quando a menina tinha oito anos. Sentindo que o seu fim se aproximava, a mãe chamou a menina, pegou uma boneca entre os lençóis e entregou à filha, dizendo-lhe:

— Ouça minhas últimas palavras, Vasilisa e obedeça à minha última vontade. Eu te deixo esta boneca. Mantenha-a sempre consigo e não a mostre a ninguém. Se algo mau acontecer com você, alimente-a e peça-lhe conselhos. A boneca vai comer o que você lhe der e vai ajudá-la em seus momentos difíceis.

A mulher do mercador beijou a filha e, alguns instantes depois, morreu. O viúvo sentiu muito a morte de sua esposa, mas, depois de algum tempo, resolveu casar-se novamente. Escolheu por esposa uma mulher que tinha duas filhas da mesma idade que Vasilisa. Isso significava que a pretendente tinha experiência como dona de casa e como mãe. Então, o comerciante casou-se com ela. Mas a mulher e suas duas filhas tinham ciúmes de Vasilisa. Elas invejavam sua beleza e a enchiam de tarefas para que emagrecesse de fadiga e para que o vento e o Sol maculassem a sua pele alva.  Durante todo o dia, ouviam-se apenas os gritos na casa:

 — Vasilisa, Vasilisa, faça a comida! Varra a casa e traga a lenha! Ordenhe as vacas! Depressa! Não ponha essa cara feia! Parece mais que está voltando de um enterro!

Vasilisa fazia tudo o que lhe mandavam fazer. Tentava agradar a todos e ficava cada dia mais bela e fresca, enquanto a madrasta e suas filhas, que não se moviam para nada, emagreciam de raiva e amarelavam de inveja.

Isso acontecia porque a boneca a ajudava em tudo. À noite, quando todos dormiam, a garota se trancava na mansarda, alimentava a boneca e contava-lhe as suas mágoas.

A bonequinha comia e depois consolava Vasilisa. Dava-lhe conselhos e, pela manhã, fazia todo o trabalho por ela. A menina descansava à sombra e colhia flores, enquanto a boneca roçava o pomar, carregava a água, acendia o fogão e regava os repolhos. Além disso, ela indicou quais as ervas deveriam ser aplicadas para que Sol não lhe queimasse a pele. Em resumo, Vasilisa ficava mais bonita a cada dia.

Numa certa ocasião, o mercador teve que empreender uma longa viagem. A madrasta se mudou com as garotas para uma casa à beira da floresta. Numa clareira daquela floresta havia uma casa, e naquela casa vivia Baba Yaga, a velha feiticeira. Baba Yaga não deixava ninguém se aproximar de seus domínios e se alimentava de seres humanos como se fossem galinhas.

Para se livrar de Vasilisa, a madrasta sempre a mandava para a floresta para procurar isso ou pegar aquilo. Mas ela sempre voltava sã e salva, porque a boneca assinalava-lhe caminho e a mantinha longe do refúgio de Baba Yaga.

O outono chegou. Uma tarde, a madrasta distribuiu entre as três meninas as tarefas da noite: uma tinha que fazer renda; a outra, tricotar meias; Vasilisa teria que fiar. Então apagou todas as luzes da casa, deixou apenas uma vela acesa onde as três jovens trabalhavam e foi se deitar. Uma das filhas da madrasta apagou a vela, como ordenado por sua mãe, e, fingindo tê-lo feito inadvertidamente, exclamou:

— O que vamos fazer? Que desgraça! O trabalho não está terminado e não há um único tição em casa. Alguém terá de ir à casa de Baba Yaga buscar fogo!

— Eu não vou, disse a meia-irmã mais velha. Eu faço rendas e os bilros me dão muita luz.

 — Eu também não vou — disse a outra, apressadamente. — Eu tricoto meias e as agulhas me proporcionam luz o suficiente.

— Você vai ter que ir! — ambas gritaram ao mesmo tempo. — Vasilisa, Vasilisa, vá à casa de Baba Yaga e lhe peça fogo!

E elas brutalmente a expulsaram da sala. Vasilisa correu para a mansarda, alimentou a boneca e disse-lhe, chorando:

— Coma, bonequinha, coma o quanto quiser, e depois ouça as minhas mágoas! Elas me disseram para buscar fogo na casa de Baba Yaga. E a bruxa vai me devorar!

— Não tenha medo — respondeu a boneca. — Coloque-me no bolso e vá tranquilamente para onde a mandaram. Enquanto eu estiver com você, nada de mau poderá acontecer-lhe.

Vasilisa colocou sua boneca no bolso e foi para a floresta sombria, percorrendo caminhos ignorados.

E seguia andando, toda trêmula, quando passou a galope, junto a ela, um cavaleiro branco, vestido de branco, montado num cavalo branco, que também tinha brancos arreios. Então, o dia começou a despontar.


 


 


Vasilisa seguiu em frente, tropeçando nos tocos. O rocio umedecia sua trança e esfriava as suas mãos.

De repente, passou a galope outro cavaleiro, vermelho, montado em um corcel também vermelho e com os arreios da mesma cor. O Sol nasceu, acariciou Vasilisa, aqueceu-a e secou a sua trança.

Vasilisa caminhou o dia todo e só ao anoitecer chegou à clareira onde ficava a casa de Baba Yaga.  A cerca que a rodeava era feita de ossos humanos, coroados por caveiras igualmente humanas. A passagem sob o portão era coberta de pés humanos, os ferrolhos eram mãos e o cadeado era uma boca de dentes afiados. Vasilisa ficou petrificada de pavor. Surgiu um cavaleiro negro, montando em um cavalo preto e com os arreios da mesma cor. O cavaleiro chegou ao portão e desapareceu, como se tivesse sido tragado pela terra.

  

 


 

Anoiteceu. No entanto, a escuridão durou pouco. Todos os crânios na cerca acenderam os seus olhos, e na clareira havia tanta luz quanto em pleno dia. Vasilisa tremia de medo. Suas pernas não obedeciam aos seus comandos e ela não conseguia fugir daquele lugar tenebroso.

Vasilisa percebeu que a terra tremia. Ouviu-se um barulho terrível na floresta. As árvores entrechocavam-se, as folhas secas farfalhavam, e Baba Yaga, a velha feiticeira, apareceu, montada em um pilão, cujos pés serviam de leme, trazendo consigo uma vassoura, com a qual varria os próprios rastros. Antes de transpor o portão, ela parou e, farejando ao seu redor, exclamou:

 

 



—  Sinto cheiro de carne russa! Quem está aqui?

Vasilisa se aproximou da bruxa, fez-lhe uma profunda reverência, e, humildemente, respondeu:

—Sou eu, vovó. Minhas meias-irmãs enviaram-me para pedir-lhe fogo.

— Está bem — disse Baba Yaga. — Eu já sei quem são suas meias-irmãs. Mas, se quer fogo, terá que ficar e trabalhar para mim. Se o trabalho for benfeito, terá o seu fogo; se não for, eu a devoro!

Então Baba Yaga virou-se para o portão e gritou:

— Que as sólidas trancas deslizem e o grande portão se abra!

O portão se abriu e a bruxa entrou, montada em seu pilão, dando silvos.  Vasilisa a seguiu. Tudo se fechou de novo à sua passagem.

Uma vez em casa, Baba Yaga se acomodou convenientemente e ordenou a Vasilisa:

— Traga-me tudo que estiver no fogão e na despensa. Apresse-se, estou faminta!

Vasilisa tratou de pegar comida do fogão e a servi-la a Baba Yaga. Havia comida para pelo menos dez pessoas: assados e ensopados, queijos e paios, bolos e pasteis, sopas e salsichas. Em seguida, Vasilisa desceu para a à cave e trouxe bebida fermentada de pão, hidromel, cerveja e vinho. A velha comeu e bebeu tudo, deixando para Vasilisa somente um pouquinho de sopa, uma côdea de pão e um pedacinho de leitão. Antes de ir para a cama, a bruxa disse à menina:

—Amanhã, quando eu sair, você vai limpar o curral, varrer a casa, preparar a comida, lavar as roupas, trazer do celeiro quinze quilos de trigo e limpá-lo muito bem. E certifique-se de que tudo esteja bem feito, senão eu irei devorá-la!

Depois de dar essas ordens, Baba Yaga começou a roncar. Vasilisa serviu à boneca os restos de comida e disse-lhe, chorando:

— Coma, bonequinha querida, o que eu lhe trouxe, e escute as minhas mágoas. A bruxa me encomendou tarefas em excesso.  Se não as faço, disse-me que irá me devorar. Ajude-me!

A boneca respondeu:

— Não chore e não se atormente. Vá deitar-se, Vasilisa, que amanhã será outro dia.

Vasilisa levantou-se muito cedo, mas Baba Yaga já estava de pé. Os olhos das caveiras se apagaram, o cavaleiro branco passou, e fez-se dia. Baba Yaga saiu para o pátio, assobiou e o pilão se apresentou a ela imediatamente.  O cavaleiro vermelho passou e o Sol saiu. Baba Yaga montou em seu pilão e partiu a toda pressa. Os pés do pilão serviam de leme e, com a vassoura, a bruxa varria os seus rastros.

Ficando só, Vasilisa deu a volta na casa, e já se perguntava por onde ia começar o seu trabalho, quando viu que tudo já estava feito e que a boneca catava os últimos grãos indesejáveis de trigo.

— Como agradecer-lhe, querida bonequinha? Você me salvou de um grande perigo.

— Só lhe resta preparar o almoço — respondeu a boneca, colocando-se no bolso de Vasilisa. — Depois, descanse.

Ao cair da tarde, Vasilisa pôs a mesa e ficou esperando por Baba Yaga. O cavaleiro negro foi visto passando pelo portão e fez-se noite. Os olhos dos crânios começaram a refulgir. Ouviu-se o entrechocar das árvores e o farfalhar das folhas. Era Baba Yaga que chegava.

— O trabalho está feito? Realizou todas as tarefas? — perguntou a bruxa a Vasilisa, que viera ao seu encontro.

— Veja por si mesma, vovó — respondeu a garota.

Baba Yaga inspecionou tudo e, não encontrando de que reclamar, rosnou:

— Está bem.

Então gritou:

—Vamos, meus servos fiéis, meus amigos da alma! Triturem esse trigo!

Instantaneamente, três pares de mãos apareceram, pegaram o trigo e levaram-no embora.

Baba Yaga jantou e, quando ia deitar-se, ordenou a Vasilisa novamente:

— Amanhã você vai fazer o mesmo que hoje. Mas, também, traga as sementes de papoula no celeiro e limpe-as do chão uma a uma.

Então, virou-se para a parede e começou a roncar.

Vasilisa alimentou a boneca, que lhe disse, como no dia anterior:

— Vá dormir em paz, que o travesseiro é um bom conselheiro. Tudo será feito, Vasilisa.

Na manhã seguinte, Baba Yaga saiu novamente, montada no pilão. A boneca fez todo o trabalho em um instante. A bruxa voltou, examinou tudo e gritou:

— Servos fiéis, meus amigos da alma! Venham e prensem o óleo dos grãos de papoula!

Instantaneamente, três pares de mãos apareceram e levaram todos os grãos. Baba Yaga sentou-se à mesa para jantar. Enquanto comia, Vasilisa permanecia calada ao seu lado.

— Por que não fala comigo? — Baba Yaga perguntou. — Qualquer um diria que você é muda.

— É timidez — respondeu Vasilisa. — Mas, se me permite, gostaria de lhe perguntar algumas coisas.

— Pergunte! Mas tenha em mente que algumas questões não devem ser levantadas. Sabedoria demais faz envelhecer antes da hora.

— Eu só quero perguntar-lhe sobre as coisas que vi, vovó. Vindo aqui, encontrei um cavaleiro branco. Quem era ele?

— Meu fiel servo dia claro — respondeu Baba Yaga.

— Depois surgiu um cavaleiro vermelho. Quem era ele?

— Meu fiel servo Sol brilhante — respondeu Baba Yaga.

— E quem era o cavaleiro negro, que me alcançou ao lado do portão, vovó?

—Meu fiel servo noite escura. Quer saber de mais alguma coisa? — perguntou a bruxa.

Vasilisa lembrou-se dos três pares de mãos que ela tinha visto aparecer, mas não disse nada.

— Para mim, é o que basta saber. A senhora me disse: saber demais faz-nos envelhecer antes da hora.

— Faz bem você em perguntar-me apenas sobre as coisas que viu fora de casa e não dentro dela. Não gosto de tirar trapos sujos daqui. E costumo devorar os muito curiosos. Mas, agora, sou eu quem lhe quer fazer uma pergunta: como você consegue fazer todas as tarefas que lhe confio?

— A bênção de minha mãe me ajuda, vovó — respondeu Vasilisa.

— Mas o que temos aqui? Ponha-se bem longe daqui, filha abençoada! Saia imediatamente. Não quero pessoas abençoadas na minha casa!

Baba Yaga empurrou a jovem para fora da casa, mas, antes de fechar o portão, a feiticeira tomou da cerca um dos crânios de olhos reluzentes, enfiou-o na ponta de uma vara e deu-o a Vasilisa, dizendo:

— Eis aqui o fogo para suas meias-irmãs. Leve-o consigo. Elas não a enviaram a mim para consegui-lo?

Vasilisa tomou o caminho de casa, guiada pela luz da caveira, que não se apagou até o amanhecer.

 

 



Finalmente, chegou em casa ao pôr do Sol do dia seguinte. Junto ao portão, teve a ideia de jogar fora a caveira, acreditando que, certamente, elas não precisariam mais de lume em casa. Mas uma voz furiosa, vinha do crânio, ordenou-lhe:

— Não me jogue fora. Leve-me aonde está a sua madrasta.

Ao chegar à porta, Vasilisa ficou surpresa ao não ver luz alguma na casa. E ainda mais surpresa ficou ao ver que a madrasta e suas filhas a receberam com alegria. Desde a sua partida — explicaram — não havia como conseguir fogo para a casa. Elas não conseguiam acendê-lo e o que trouxeram dos vizinhos apagavam assim que entravam na sala.

— Pode ser que o seu arda — disse a madrasta.

Vasilisa trouxe o crânio para a sala, e seus olhos ardentes caíram sobre a madrasta e suas filhas, abrasando-as. Elas tentaram se esconder, mas os olhos as seguiram aonde quer que fossem e, pela manhã, as mulheres eram apenas um punhado de cinzas. Somente Vasilisa não sofreu o mínimo dano.


Versão em português de Paulo Soriano.

Ilustração de Iván Bilibin (1876-1942).



 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O RETRATO OVAL - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O CORAÇÃO DELATOR. Conto clássico de terror. Edgar Allan Poe