O FANTASMA LIQUEFEITO - Conto Clássico de Terror - Pu Songling

 


O FANTASMA D’ÁGUA

Pu Songling

(1640 - 1715)

 

Song Wan, de Laiyang foi nomeado secretário de um dos conselhos e alugou uma casa em ruínas na capital.

Certa noite, sua mãe, que dormia no salão principal, acompanhada por duas criadas, ouviu um ruído estranho — como o de um alfaiate cuspindo no tecido —, vindo de seu pátio externo. Disse às suas criadas que fizessem um buraco na tela de papel e olhassem por ele.  

Viram, então, uma velha senhora, baixa e corcunda, com os cabelos brancos presos num topete de duas polegadas, saltitando pelo pátio como uma garça. E, enquanto ela saltitava, um fluxo interminável de água jorrava-lhe da boca. As criadas, assustadas com aquela singular visão, relataram-na imediatamente à sua senhora, que ficou horrorizada. Ajudaram-na a subir até a janela para ver a aparição por si mesma e, naquele exato momento, a velha saltitante se aproximou e cuspiu violentamente um jato d’água diretamente sobre onde elas estavam, rasgando o papel e fazendo com que as três mulheres caíssem ao chão.

Era madrugada e ninguém da família sabia o que se passava.  Quando amanheceu, os criados reuniram-se do lado de fora, como de costume, e bateram à porta. Não recebendo resposta, ficaram alarmados, forçaram a entrada arrombando a porta, e encontraram a senhora e as suas duas criadas estiradas, lado a lado, no chão, aparentemente mortas. Após uma inspeção mais detalhada, viram que uma das criadas ainda conservava uma nesga de calor corporal.   Sentaram-na, deram-lhe de beber e, em pouco tempo, a moça voltou a si e pôde contar-lhes tudo o que havia testemunhado.

Quando o Sr. Song chegou ao local, ficou arrasado de tristeza e remorso. O local onde a estranha velha e estranha senhora tinha sido vista antes de desaparecer foi examinado minuciosamente. Escavando a uma profundidade de um metro, eles descobriram cabelos brancos; cavando ainda mais fundo, encontraram os despojos de um cadáver inteiro. Era o corpo de uma velha mulher, exatamente como a que a criada havia descrito, e cujo rosto ainda estava coberto de carne, como se ela ainda estivesse viva. O Sr. Song ordenou que golpeassem o cadáver. Quando o fizeram, a carne e os ossos simplesmente despregaram-se. Sob a pele, o cadáver estava completamente putrefeito.  Consistia apenas em água.

 

Versão em português de Paulo Soriano.

 


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UMA DESCIDA NO MAELSTRÖM - Conto Fantástico - Edgar Allan Poe

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O CORAÇÃO DELATOR. Conto clássico de terror. Edgar Allan Poe

O RETRATO OVAL - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe