OS FILHOS MORTOS DO SR. B⁠— - Narrativa Clássica Sobrenatural - Catherine Crowe


 

OS FILHOS MORTOS DO SR. B

Catherine Crowe

(1803 – 1876)

Tradução de Paulo Soriano

 

O Sr. B— conhecido meu — informou-me que, há alguns anos, perdeu dois filhos, com um intervalo de dois anos entre as mortes. Quase o mesmo intervalo decorrera desde a morte do segundo filho, quando ocorreu a circunstância que irei relatar. Pode-se conceber que, àquele lapso temporal, por mais vívida que tenha sido, a princípio, a impressão deixada pelos falecimentos, aqueles incidentes haviam desaparecido consideravelmente da mente de um homem dedicado aos próprios negócios. O Sr. B me garante que, na noite em que ocorreu o evento, ele não estava pensando nas crianças; estava, além disso, perfeitamente bem e não comeu nem bebeu nada incomum, nem se absteve de comer ou beber qualquer coisa de que estava acostumado. Encontrava-se, portanto, em seu estado normal.

Sucedeu que, pouco depois de se deitar na cama, e antes de adormecer, o Sr. Bouviu a voz de uma das crianças a gritar:

—Papai! Papai!

—Você ouviu isso? — ele disse à esposa, deitada ao lado dele.  —Ouço Archy me chamando, tão claramente quanto já o ouvi em minha vida!

—Absurdo! — redarguiu a senhora. — É tudo imaginação sua!

Todavia, ele ouviu, novamente, o chamado:

—Papai! Papai!

Agora, eram duas vozes que gritavam.

— Não aguento mais isso! — exclamou o Sr.  B.

O marido se levantou e, abrindo as cortinas, viu as duas crianças em suas roupas de dormir, de pé, perto da cama.

Imediatamente, Sr. B avançou. As crianças recuaram lentamente. Com os olhos voltados para o pai, seguiram à janela, onde desapareceram.

Sr. Bafirma que, à época, o singular evento o impressionou imensamente. E, de fato, aquele fora um incidente que nunca poderia ser suprimido de sua memória; mas ele não sabia o que pensar de tudo aquilo, porquanto nunca acreditara em fantasmas. Assim, concluiu que o incidente devia ser o resultado de alguma ilusão espectral extraordinária, especialmente porque a sua esposa, naquela noite, nada ouviu. Pode ter sido assim; mas essa circunstância de forma alguma prova que assim o foi.

 

Fonte: The Nigth-Side of Nature, B. B. Mussey & CO, Boston,1850.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

A MÁSCARA DA MORTE ESCARLATE - Conto de Terror - Edgar Allan Poe

O RETRATO OVAL - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

BERENICE - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe