O SUPLÍCIO DE ROBESPIERRE - Narrativa Verídica de Horror - François-Joseph-Michel Noël e Joseph Planche



O SUPLÍCIO DE ROBESPIERRE
François-Joseph-Michel Noël (1756 – 1841) e Joseph Planche
(1762 – 1853)

Robespierre, após receber o tiro de pistola que lhe esmigalhou a face, caiu banhado de sangue. Levantaram-no e o puseram numa poltrona de couro vermelho. Porque teve maxilar deslocado, foi necessário ajustá-lo à mandíbula superior com o emprego de uma faixa, que lhe sustinha o queixo, e cujas  extremidades foram atadas sobre a sua cabeça.

Foi neste estado que, às seis horas da manhã, o conduziram ao Comitê de Segurança Geral, onde o deitaram sobre uma mesa. Tinha o semblante pálido e a cabeça rachada. Vertia sangue pelos olhos, narinas e boca. Alvo, por muitas horas, de insultos e reproches pelos circunstantes, ele parecia suportar, com paciência, tais ultrajes. Queixa alguma escapou de sua boca. E não respondeu a qualquer pergunta feita por seus confrades.

Ele foi, então, levado ao Tribunal Revolucionário, acompanhado de seus cúmplices, para ser identificado. Iam com ele Couthon, Saint-Just, Robespierre Jeune e Dumas, presidente do Tribunal Revolucionário; Vivier, presidente dos Jacobinos; Henriot, comandante da Guarda Nacional; seu ajudante Valletta; Fleuriot-Lescot, prefeito de Paris; Payan, agente da Comuna; Gobeau, promotor público perante o Tribunal Criminal do Departamento e onze membros do Conselho-Geral da Comuna de Paris, o que fora completamente ilegal. Eis um efeito notável das vicissitudes revolucionárias: contemplar todos esses homens enviados ao cadafalso por um tribunal formado pelos próprios amigos.

No dia 10 do termidor (28 de julho), às quatro horas, o sinistro cortejo deixou o pátio do palácio. Nunca antes se vira uma tal afluência de pessoas. Todos os olhos se fixavam sobremodo na carroça que levava os irmãos Robespierre, Couthon e Henriot — este último tinha a cabeça e os ombros fraturados; Coffinhal, seu cúmplice, vice-presidente do Tribunal Revolucionário, o jogara pela janela, acusando-o de ter posto todos a perder em razão de sua covardia. Esse Coffinhal, que também foi incluído entre os infratores, conseguiu escapar, mas foi capturado dois dias depois. O corpo do deputado Lebas, que se matara com um tiro de pistola, estava estendido na carroça.

Percebeu-se que Robespierre levava o mesmo traje que usara na festa do Ser Supremo. Suas feições estavam horrivelmente desfiguradas. Quer porque constrito pelas dores dos ferimentos, quer porque tinha ele a alma dilacerada pelo remorso, os seus olhos permaneciam completamente fechados.

Chegando no meio da Rua Real, ele foi tirado dessa espécie de sonho por uma mulher que ali o esperava. Era uma mulher de meia-idade, adequadamente trajada. Quando viu a carroça chegar com Robespierre, abriu caminho, agarrou-se com uma mão à barra da carroça, enquanto, com a outra, ameaçava-o, gritando:

— Monstro! Monstro vomitado pelo inferno, teu suplício me enche de alegria!

Ouvindo tais palavras, Robespierre abriu os olhos e ergueu os ombros.

— Monstro abominável — continuou a mulher —, somente de uma coisa me arrependo, porque tu não tens mil vidas. Se as tivesse, eu desfrutaria do prazer de ver-te pagar por teus crimes uma vida após a outra!



Este novo insulto pareceu incomodar Robespierre; mas ele não moveu as pálpebras.

Quando o deixou, já perto do cadafalso, disse-lhe a mulher:

— Vai, celerado, desce ao túmulo com todas as maldições, com as eternas maldições de todas as esposas, de todas as mães!

Presume-se que Robespierre havia privado essa mulher de marido ou filho.

Antes de receber a morte, padeceu Robespierre de um cruel sofrimento.

Depois de tirar-lhe o casaco, que lhe estava cruzado sobre os ombros, o carrasco arrancou bruscamente o aparato que o médico havia colocado em seu ferimento. Porque o maxilar inferior deslocara-se do superior, a cabeça desse miserável não oferecia à visão mais que um objeto monstruoso. E, depois do golpe fatal, quando o carrasco a exibiu para todo o público, aquela cabeça tornou-se o mais horrível espetáculo que se pode imaginar.


Versão em português de Paulo Soriano.
Fonte: Ephémérides politiques, littéraires et religieuses, Paris, 1812.

Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário