O AMIGO DEFUNTO - Conto Clássico de Terror - Antonio de Torquemada



O AMIGO DEFUNTO
Antonio de Torquemada
(c. 1507 – 1569)


Certo homem, de grandes qualidades, padecia há muito tempo de uma séria enfermidade, que lhe causava muito sofrimento.

Aconselhado, para recobrar a saúde, a visitar os banhos de Cumas, rogou a seus amigos que o acompanhassem. E, indo juntos, com tudo o quanto era necessário para obter a cura com os banhos, ali estiveram por alguns dias, nos quais o doente se sentiu ainda pior, de forma que deliberam por retornar a Roma, de onde haviam saído.

Voltando pelo caminho, a enfermidade cresceu e se agravou tanto que o enfermo ainda mais debilitado ficou, quer em razão da doença, quer por causa do cansaço imposto pela caminhada. Em uma estalagem, onde por acaso haviam chegado, feneceu seus dias. Os que vinham com ele, compadecendo-se de sua morte, sepultaram-no com a maior solenidade possível em uma igreja local, e ali se detiveram por alguns dias, fazendo as suas honras e sacrifícios, e cumprindo todas as obrigações funerárias.

Feito isto, retomaram o caminho para Roma. Chegada a noite, recolheram-se a uma albergaria, na qual um dos amigos do falecido se deitou numa cama isolada do quarto, que tinha a porta fechada e conservava uma vela acesa.

Estando completamente acordado, subitamente viu diante de si o amigo falecido, a quem havia deixado sepultado macilento e amarelo, com os olhos afundados nas órbitas. Aproximando-se da cama, o defunto contemplou o amigo sem dizer palavra e começou a tirar as roupas, que pareciam ser as mesmas que trazia em vida. E a nenhuma coisa das que dizia o que estava na cama o morto respondia.

Estando desnudo o defunto, o amigo ergueu o lençol e meteu-se no leito por debaixo dele, porque prostrava-se com o grande medo que tivera, e não tinha forças para estorvar a aparição.

O morto aproximava-se dele, dando mostras de querer abraçá-lo. Vendo-se acuado, postou-se num canto remoto da cama. E, retirando forças da própria fraqueza, pondo o lençol diante de si para que o defunto não pudesse chegar-se a ele, começou a resistir-lhe.

O falecido, vendo aquela resistência, e que o homem se defendia, olhou-o furiosamente e, mostrando grande ira, tornou a se erguer. Então, vestindo-se e calçando-se, partiu, sem jamais reaparecer.

Em razão do grande medo e prostração que passara, uma séria enfermidade acometeu aquele homem, e aquela doença quase o pôs no último dia de sua vida. Todavia, escapou da morte e dizia que, quando resistiu à aproximação do defunto, somente o tocara com o pé, o qual tinha tão frio que geada alguma se lhe podia comparar.

Versão em português e adaptação textual: Paulo Soriano.
Narrativa constante do Jardín de Flores Curiosas, 1575.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O RETRATO OVAL - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O CORAÇÃO DELATOR. Conto clássico de terror. Edgar Allan Poe