O QUARTO ASSOMBRADO - Conto Clássico de Mistério - Joseph Taylor


O QUARTO ASSOMBRADO

Joseph Taylor

(Séc. XIX)

 

Um jovem cavalheiro viajou de Londres para o Oeste da Inglaterra para visitar um mui digno gentil-homem, de quem tinha a honra de ser parente.

Sucede que a casa do cavalheiro estava, naquela época, mito cheia, por conta do casamento de um parente, que ultimamente ali vivia.

O senhor da casa, portanto, disse ao jovem visitante que estava muito feliz em vê-lo, e que ele era muito bem-vindo.

— Mas — disse ele — não sei o que fazer para alojá-lo. Por causa do casamento de meu primo, não restou um quarto livre na casa, exceto um. O quarto remanescente é, todavia, assombrado. Mas, se você quiser deitar-se lá, encontrará uma cama muito confortável e todas as outras comodidades de que precisa.

— O senhor — respondeu o jovem cavalheiro — muito me apraz deixando-me dormir em tal quarto, pois muitas vezes cobicei estar em um lugar assombrado.

O cavalheiro, muito contente porque o seu parente estava deveras satisfeito com suas acomodações, ordenou que o quarto fosse preparado e, sendo inverno, mandou que lhe acendessem a lareira.  

Quando chegou a hora de dormir, o jovem cavalheiro foi conduzido ao seu quarto, o qual, além de uma boa lareira, estava equipado com todas as acomodações adequadas; e, tendo-se recomendado à proteção divina, foi deitar-se. 

Ficou algum tempo acordado e, sem ser perturbado, adormeceu. Contudo, foi despertado por volta das três horas da manhã: a porta se abriu e alguém nele penetrou. Era a aparição de uma jovem, com uma camisola que lhe cobria a cabeça e lhe caía sobre os ombros. Mas ele não tinha uma visão perfeita de quem entrara, pois a vela estava apagada. E, malgrado houvesse lume no quarto, ainda assim a lareira não irradiava luz suficiente para vê-la claramente. Mas a visitante desconhecida foi até a chaminé, pegou o atiçador e avivou o fogo. A luz flamejante permitiu que ele discernisse, mais claramente, a silhueta de uma jovem dama. Contudo, se era uma pessoa em carne osso ou um fantasma etéreo, ele não sabia dizer. 

A aparição, tendo permanecido algum tempo diante do fogo, como se para se aquecer, caminhou, por fim, duas ou três vezes pelo quarto e, depois, foi postar-se ao lado do leito.  Tendo ali parado um instante, tomou uns lençóis e foi para a cama, onde se deitou e, cobrindo-se, lá permaneceu muito quieta.

 O jovem cavalheiro ficou um tanto surpreso com aquela companheira de leito desconhecida. E, quando ela se aproximou, cuidou de deitar-se do outro lado da cama, sem saber se era melhor levantar-se ou não. 

Por fim, permanecendo muto quieto, percebeu que sua companheira de cama respirava. Assim, supondo que ela fosse de carne e osso, achegou-se mais perto dela. Tomando-a pela mão, e achando-a tépida, concluiu que a jovem não era um fantasma etéreo, mas um ente substancial, de carne e osso.  E, notando que ela tinha um anel no dedo, ele o tirou sem ser percebido. Entrementes, a dama dormia, e ele deixou que ela assim continuasse. E, sem incomodá-la, esperou pacientemente o desfecho daquela singular situação.

Mas não ficou muito tempo em suspense, pois a sua bela companheira livrou-se apressadamente dos lençóis, e, levantando-se, caminhou três ou quatro vezes pelo quarto, como fizera antes. Então, parando um momento diante da porta, abriu-a, saiu e fechou-a atrás de si.

O jovem cavalheiro, percebendo de que maneira o quarto era assombrado, levantou-se e trancou a porta por dentro. Depois, voltou para a cama e dormiu até de manhã.

Quando o dono da casa o procurou para saber como ele estava, e se ele tinha visto, ou não, alguma coisa, respondeu-lhe que uma aparição se manifestara, mas pediu ao parente o favor de que não o pressionasse a dizer mais nada, até que toda a família estivesse reunida. O senhor atendeu ao seu pedido, dizendo ao jovem amigo que, encontrando-o bem, estava perfeitamente satisfeito.

Ansiosa por saber do ocorrido, toda a família tratou de se vestir com uma rapidez maior que a costumeira, porquanto reunir-se-iam, em assembleia geral, os cavalheiros e as damas, antes das onze horas, e todos queriam se apresentar convenientemente,

Quando todos se reuniram no grande salão, o jovem cavalheiro disse que, antes de tudo, tinha um favor a pedir às damas, declarando que desejava saber se alguma delas havia perdido um anel.

A jovem dama, de cujo dedo o anel foi tirado, depois de procurá-lo por toda a manhã, e sem saber como o havia perdido, ficou feliz em ouvir o que o jovem dizia e, prontamente, admitiu que perdera um anel. 

O jovem cavalheiro perguntou, entregando o anel em sua mão, se ela reconhecia como sua aquela joia, e, após receber um agradecimento, voltou-se para o seu parente — o dono da casa — dizendo-lhe:

 — Agora, senhor — disse ele, tomando a moça pela mão —, eu posso assegurar-lhe que este é o espírito encantador que assombra o seu quarto.

Então, narrou o acontecido.

Não há palavras para expressar a confusão que aquela narrativa causou na jovem dama, que se declarou perfeitamente ignorante de tudo o que ele dissera. Mas acreditava que o cavalheiro dizia a verdade, porque se lembrava perfeitamente de que usava o anel quando foi deitar-se, e não sabia como o havia perdido.

A narrativa proporcionou a todos uma grande diversão, pois, afinal, o pai declarou que, uma vez que sua filha já tinha ido para a cama com seu parente, seria culpa sua se ele não fosse para a cama com sua filha, de molde que estava disposto a entregá-la ao jovem, e dar-lhe um bom dote. Esta oferta generosa era tão vantajosa para o jovem cavalheiro que ele não poderia recusá-la de maneira alguma.  E a sua última companheira de leito, ouvindo o que seu pai havia dito, foi facilmente persuadida a aceitá-lo como marido.


 

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A MÃO DO MACACO - Conto Clássico de Terror - W. W. Jacobs

O CORAÇÃO DELATOR. Conto clássico de terror. Edgar Allan Poe

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O MARINHEIRO DE AMESTERDÃ - Conto Clássico de Horror - Guillaume Apollinaire