O SENHOR DA MORTE - Conto Clássico Fantástico - Flora Annie Steel



O SENHOR DA MORTE

(Lenda indiana)

Flora Annie Steel

 (1847-1929)

Tradução de Paulo Soriano

 

Há muito tempo, havia uma estrada em que todos que por ela transitavam encontravam a morte. Alguns diziam que a morte era causada por uma cobra; outros, atribuíam a fatalidade a um escorpião. Mas uma coisa era certa: todos os que percorriam aquela estrada morriam.

Certa feita, um viajante — um homem muito velho — transitava pela estrada. Extenuado, sentou-se em uma pedra para descansar. De repente, bem perto de si, viu um escorpião do tamanho de um galo. Enquanto o homem o olhava, o escorpião transformou-se numa horrenda serpente.  O ancião, maravilhado, decidiu acompanhar a criatura, que se afastava, para descobrir o que ela realmente seria.

A cobra rastejou dia e noite e, atrás dela, como uma sombra, seguia o velho homem. Certa vez, a serpente penetrou numa estalagem e matou vários viajantes; outra, entrou no palácio do rei e o matou. Em seguida, ele se arrastou pela tromba d'água até o palácio da rainha e matou a filha mais nova do rei. Assim seguia o seu caminho e, aonde quer que fosse, ouviam-se choros e lamentos. E o velho a perseguia, silencioso como uma sombra.

De repente, a estrada tornou-se um rio largo, profundo e veloz, em cujas margens sentavam-se alguns viajantes pobres, que ansiavam por fazer a travessia, mas não tinham dinheiro para pagar a balsa. Então, a serpente se transformou num belo búfalo, com um colar de latão e chocalhos ao redor do pescoço, e achegou-se à beira do rio. Quando os pobres viajantes o viram, disseram:

— Aquele animal vai nadar até os páramos onde vive, atravessando o rio. Subamos em seu lombo e seguremos a sua cauda, ​​de modo que nós também possamos atravessá-lo.

Os viajantes subiram ao dorso do animal e seguraram-no pela cauda. O búfalo nadou com eles corajosamente. Mas, quando chegou ao meio, começou a escoicear, até que, afinal, os homens caíram, ou se soltaram, e todos se afogaram.

Quando o velho, que havia atravessado o rio num barco, chegou ao outro lado, o búfalo havia desaparecido e em seu lugar havia um lindo boi. Ao ver esta bela criatura vagando, um camponês, atingido pela cobiça, atraiu-o para sua casa.  O animal parecia muito dócil e deixou-se amarrar, sem reagir, juntando-se aos demais. Mas, na calada da noite, transformou-se em serpente e dizimou todo o rebanho. Depois, infiltrando-se sorrateiramente na casa, matou toda a gente adormecida e partiu. Mas, atrás dele, seguia o ancião, silencioso como uma sombra.

Logo eles chegaram a outro rio, onde a cobra assumiu a forma de uma bela jovem, linda de ser ver e coberta com joias caras. Depois de um tempo, dois soldados, que eram irmãos, apareceram. Quando se aproximaram, a jovem mulher se pôs a chorar amargamente.

— O que foi que houve?  — perguntaram os irmãos. — Por que você, tão jovem e tão bela, senta-se à beira do rio, assim, sozinha?

Então a jovem-serpente respondeu:

—Meu marido me levava para casa quando, tendo descido ao riacho, procurando a balsa, achou por bem lavar o rosto. Então, escorregou e se afogou. Portanto, eu já não tenho marido ou parentes!

—Não tenha medo! —  gritou o mais velho dos irmãos, que se enamorou de sua beleza. — Venha comigo e eu me casarei com você.

— Sim, mas com uma condição — respondeu a moça. — Você jamais me pedirá para fazer qualquer trabalho doméstico. E tudo o quanto eu lhe pedir, você me dará.

— Como um escravo, ser-lhe-ei obediente! — prometeu o jovem.

— Então, vá imediatamente ao poço e traga-me um copo d'água. Seu irmão ficará comigo — disse a jovem.

Mas, quando o irmão mais velho se foi, a jovem-serpente voltou-se para o outro, dizendo:

— Fuja comigo, porque eu o amo! Minha promessa a seu irmão foi um ardil para afastá-lo de nós!

— Nada disto! — retrucou o jovem. — Você é a esposa prometida de meu irmão, e eu a considero uma irmã.

Com isso, a moça ficou furiosa. Chorou e lamentou, até que o irmão mais velho voltou. Então ela gritou, chorando:

— Ó marido, eis aqui um vilão! Seu irmão me pediu para fugir com ele, abandonando-o.

Então, uma amarga ira dominou o coração do irmão mais velho, que, sentindo-se traído, desembainhou a espada e desafiou o mais jovem a uma luta.

Os irmãos pelejaram o dia inteiro. Mas, ao anoitecer, jaziam os dois mortos no campo.

 A jovem recobrou a forma de serpente e, atrás dela, seguia o velho, silencioso como uma sombra. 

Mas, por fim, ela se transformou num velho de barba branca. Quando aquele, que por tanto tempo a seguia, viu alguém semelhante a si, tomou coragem e, maneando a barba branca, perguntou:

— Quem e o que é você?

Então o velho sorriu e respondeu:

—Alguns me chamam de Senhor da Morte[1], porque eu trago a morte ao mundo.

—Dê-me a morte — suplicou o outro —, pois eu o segui de longe, silencioso como uma sombra, e estou cansado!

Mas o Senhor da Morte balançou a cabeça, dizendo:

— Não é assim que as coisas são! Eu só dou a morte para aqueles cujos anos são fartos e você tem sessenta anos de vida pela frente!

Então o velho de barba branca desapareceu. Mas se ele realmente era o Senhor da Morte ou um demônio, quem pode dizer?

 

Fonte: Wide-Awake Stories, 1884.

 



[1] Maliku'l-maut é a variante mulçumana do nome; Kâl, a hindu. A crença é a de que todo ser vivo tem um “Senhor da Morte” ligado a ele. Ele é representado nas “peças da paixão”, tão comuns no Dasahrâ e noutros festivais, por um anão corcunda, retinto, com lábios escarlates, que, preso por uma corrente a um “guardião”, gira em torno de uma vareta negra. A ideia é que, enquanto essa corrente não estiver solta ou rompida, a vida que ele deve tirar está segura. A tradição é provavelmente de origem hindu. (N. de Richard Carnac Temple [1850 – 1931].)


 

Comentários

  1. Maliku lembra o Guardião do Umbral, o elemental que pede a senha ao espírito que intenta ir pra dimensoes superiores...
    Roger.

    ResponderExcluir
  2. otima historia parabens

    ResponderExcluir
  3. Muito bom ,um pouco intrigante

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O QUARTO ASSOMBRADO - Conto Clássico de Mistério - Joseph Taylor

O CORAÇÃO DELATOR. Conto clássico de terror. Edgar Allan Poe