O SENHOR DA MORTE - Conto Clássico Fantástico - Flora Annie Steel



O SENHOR DA MORTE

(Lenda indiana)

Flora Annie Steel

 (1847-1929)

Tradução de Paulo Soriano

 

Há muito tempo, havia uma estrada em que todos que por ela transitavam encontravam a morte. Alguns diziam que a morte era causada por uma cobra; outros, atribuíam a fatalidade a um escorpião. Mas uma coisa era certa: todos os que percorriam aquela estrada morriam.

Certa feita, um viajante — um homem muito velho — transitava pela estrada. Extenuado, sentou-se em uma pedra para descansar. De repente, bem perto de si, viu um escorpião do tamanho de um galo. Enquanto o homem o olhava, o escorpião transformou-se numa horrenda serpente.  O ancião, maravilhado, decidiu acompanhar a criatura, que se afastava, para descobrir o que ela realmente seria.

A cobra rastejou dia e noite e, atrás dela, como uma sombra, seguia o velho homem. Certa vez, a serpente penetrou numa estalagem e matou vários viajantes; outra, entrou no palácio do rei e o matou. Em seguida, ele se arrastou pela tromba d'água até o palácio da rainha e matou a filha mais nova do rei. Assim seguia o seu caminho e, aonde quer que fosse, ouviam-se choros e lamentos. E o velho a perseguia, silencioso como uma sombra.

De repente, a estrada tornou-se um rio largo, profundo e veloz, em cujas margens sentavam-se alguns viajantes pobres, que ansiavam por fazer a travessia, mas não tinham dinheiro para pagar a balsa. Então, a serpente se transformou num belo búfalo, com um colar de latão e chocalhos ao redor do pescoço, e achegou-se à beira do rio. Quando os pobres viajantes o viram, disseram:

— Aquele animal vai nadar até os páramos onde vive, atravessando o rio. Subamos em seu lombo e seguremos a sua cauda, ​​de modo que nós também possamos atravessá-lo.

Os viajantes subiram ao dorso do animal e seguraram-no pela cauda. O búfalo nadou com eles corajosamente. Mas, quando chegou ao meio, começou a escoicear, até que, afinal, os homens caíram, ou se soltaram, e todos se afogaram.

Quando o velho, que havia atravessado o rio num barco, chegou ao outro lado, o búfalo havia desaparecido e em seu lugar havia um lindo boi. Ao ver esta bela criatura vagando, um camponês, atingido pela cobiça, atraiu-o para sua casa.  O animal parecia muito dócil e deixou-se amarrar, sem reagir, juntando-se aos demais. Mas, na calada da noite, transformou-se em serpente e dizimou todo o rebanho. Depois, infiltrando-se sorrateiramente na casa, matou toda a gente adormecida e partiu. Mas, atrás dele, seguia o ancião, silencioso como uma sombra.

Logo eles chegaram a outro rio, onde a cobra assumiu a forma de uma bela jovem, linda de ser ver e coberta com joias caras. Depois de um tempo, dois soldados, que eram irmãos, apareceram. Quando se aproximaram, a jovem mulher se pôs a chorar amargamente.

— O que foi que houve?  — perguntaram os irmãos. — Por que você, tão jovem e tão bela, senta-se à beira do rio, assim, sozinha?

Então a jovem-serpente respondeu:

—Meu marido me levava para casa quando, tendo descido ao riacho, procurando a balsa, achou por bem lavar o rosto. Então, escorregou e se afogou. Portanto, eu já não tenho marido ou parentes!

—Não tenha medo! —  gritou o mais velho dos irmãos, que se enamorou de sua beleza. — Venha comigo e eu me casarei com você.

— Sim, mas com uma condição — respondeu a moça. — Você jamais me pedirá para fazer qualquer trabalho doméstico. E tudo o quanto eu lhe pedir, você me dará.

— Como um escravo, ser-lhe-ei obediente! — prometeu o jovem.

— Então, vá imediatamente ao poço e traga-me um copo d'água. Seu irmão ficará comigo — disse a jovem.

Mas, quando o irmão mais velho se foi, a jovem-serpente voltou-se para o outro, dizendo:

— Fuja comigo, porque eu o amo! Minha promessa a seu irmão foi um ardil para afastá-lo de nós!

— Nada disto! — retrucou o jovem. — Você é a esposa prometida de meu irmão, e eu a considero uma irmã.

Com isso, a moça ficou furiosa. Chorou e lamentou, até que o irmão mais velho voltou. Então ela gritou, chorando:

— Ó marido, eis aqui um vilão! Seu irmão me pediu para fugir com ele, abandonando-o.

Então, uma amarga ira dominou o coração do irmão mais velho, que, sentindo-se traído, desembainhou a espada e desafiou o mais jovem a uma luta.

Os irmãos pelejaram o dia inteiro. Mas, ao anoitecer, jaziam os dois mortos no campo.

 A jovem recobrou a forma de serpente e, atrás dela, seguia o velho, silencioso como uma sombra. 

Mas, por fim, ela se transformou num velho de barba branca. Quando aquele, que por tanto tempo a seguia, viu alguém semelhante a si, tomou coragem e, maneando a barba branca, perguntou:

— Quem e o que é você?

Então o velho sorriu e respondeu:

—Alguns me chamam de Senhor da Morte[1], porque eu trago a morte ao mundo.

—Dê-me a morte — suplicou o outro —, pois eu o segui de longe, silencioso como uma sombra, e estou cansado!

Mas o Senhor da Morte balançou a cabeça, dizendo:

— Não é assim que as coisas são! Eu só dou a morte para aqueles cujos anos são fartos e você tem sessenta anos de vida pela frente!

Então o velho de barba branca desapareceu. Mas se ele realmente era o Senhor da Morte ou um demônio, quem pode dizer?

 

Fonte: Wide-Awake Stories, 1884.

 



[1] Maliku'l-maut é a variante mulçumana do nome; Kâl, a hindu. A crença é a de que todo ser vivo tem um “Senhor da Morte” ligado a ele. Ele é representado nas “peças da paixão”, tão comuns no Dasahrâ e noutros festivais, por um anão corcunda, retinto, com lábios escarlates, que, preso por uma corrente a um “guardião”, gira em torno de uma vareta negra. A ideia é que, enquanto essa corrente não estiver solta ou rompida, a vida que ele deve tirar está segura. A tradição é provavelmente de origem hindu. (N. de Richard Carnac Temple [1850 – 1931].)


 

Comentários

  1. Maliku lembra o Guardião do Umbral, o elemental que pede a senha ao espírito que intenta ir pra dimensoes superiores...
    Roger.

    ResponderExcluir
  2. otima historia parabens

    ResponderExcluir
  3. Muito bom ,um pouco intrigante

    ResponderExcluir
  4. História muito boa e intrigante 👏👏

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

TRÊS SOMBRAS NA ESTRADA - Conto de Terror - Ângelo Brea

O CORAÇÃO DELATOR. Conto clássico de terror. Edgar Allan Poe

A VERDADE SOBRE O CASO DO SENHOR VALDEMAR - Conto de Terror - Edgar Allan Pöe