A LENDA DA “CALLE DE LA CABEZA” - Narrativa Legendária de Terror - Paulo Soriano



A LENDA DA “CALLE DE LA CABEZA”
Narrativa legendária espanhola recontada em português por Paulo Soriano


Nos tempos de D. Filipe II, vivia, numa pequena rua central de Madri, um sacerdote possuidor de grandes riquezas. Certa noite, um criado seu, movido pela cobiça, o assassinou, cortando-lhe a cabeça.

Após decapitar o sacerdote e reunir uma boa fortuna em ouro e joias, o criado fugiu para Portugal.

Quando o hediondo crime já havia sido olvidado, acobertado pela areia do tempo e pelo manto da impunidade, resolveu o antigo criado, agora convertido em cavaleiro, mercê do sangrento espólio reunido na casa do sacerdote, voltar a Madri.

Certo dia, quando percorria as ruas de Rastro, o cavaleiro, ao passar diante de um açougue, viu que era exibido um acepipe que, em seus tempos de criados, parecia-lhe uma deliciosa iguaria. Saudoso dos velhos sabores, resolveu comprar a cabeça de carneiro, levá-la para casa e comê-la cozida no jantar.

Havendo guardado a cabeça sob uma capa, retornava o cavaleiro para a nova vivenda quando foi abordado por um aguazil. Chamou a atenção do oficial de justiça um profuso rastro de sangue que o cavaleiro, sem que o percebesse, deixava atrás de si, enquanto avançava pela rua.

O oficial de justiça deteve o cavaleiro, indagando-lhe sobre o que ocultava sob a sua capa.

— Trago comigo uma cabeça de carneiro, que acabei de comprar, para o jantar — respondeu, confiante e sem nada temer, o cavaleiro.

Dizendo isto, mostrou a cabeça ao aguazil.

Mas, para o seu imenso horror, não era uma cabeça de carneiro que agora tinha nas mãos. Era, sim, a cabeça do sacerdote que ele havia decapitado há muitos anos. Os olhos do sacerdote assassinado, fixos nos seus, miravam-no com uma terrível expressão acusadora.

Diante de tão severa expressão, e aterrorizado até a medula, o antigo criado confessou o seu crime. Malgrado sobrenatural, aquela era uma prova incontestável do latrocínio que praticara.

Julgado e condenado, foi enforcado na Praça Maior de Madri.

Reza a lenda que conduziram a cabeça do sacerdote, perante o supliciado, numa bandeja de prata, até o patíbulo. E que, no mesmo instante em que o antigo servo foi executado, a cabeça do sacerdote reassumiu o estado anterior, convolando-se na de um simples carneiro.

Hoje, o logradouro onde ocorreu o macabro episódio denomina-se “Calle de la Cabeza” (Rua da Cabeça).

Imagem: Placa de azulejos na calle de la Cabeza, obra de Alfredo Ruiz de Luna González 


Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário