A VIDENTE - Conto de Terror - Mário Terrabatava


A VIDENTE
Mário Terrabatava

— Mas... Mas... Você não é um homem! — disse Marie Jeanette com olhar de espanto.

— Não, não sou — respondeu aquela a quem Marie Jeanette supunha ser um adolescente endinheirado. E, apontando para o púbis desnudo e louro, prosseguiu, com irônico desdém:

— Eu sou, se não for tão óbvio, uma mulher.

Marie Janette pôs-se a rir. Como uma prostituta sagaz e experiente como ela poderia ser enganada por uma moça jovem passando-se por um rapazote, um diabrete imberbe?

—Mas — prosseguiu Marie Jeanette —, eu não vou para a cama com garotas.

A jovem cliente extraiu do bolso da calça, que acabara de pôr sobre a cama, algumas cédulas.

— Nem mesmo por dez libras adiantadas?  E mais outras dez, se você me der o prazer que busco?

A jovem loura teve, sim, o seu prazer; Marrie Jeanette, as suas vinte libras.

—Quando volta? — perguntou a prostituta, enquanto se vestia. Seus olhos cintilavam a cobiça quando se voltaram, céleres, para aquela inesperada mina de ouro.

— Quando eu voltar, você não estará mais aqui — disse a beldade de cabelos dourados, acabando de ajustar o sobretudo acetinado.

— Por quê? Como pode saber disto?

— Porque, além de mulher, eu sou o que chamam de sensitiva.

— Uma bruxa?

— Não. Uma espécie de vidente.

— Então sabe ler o futuro das pessoas?

—Não o das pessoas. Apenas o das mulheres que me dão prazer. Quando ele explode, vejo tudo.

— Você pode me dizer o que viu?

— Posso, mas não sei se devo...

Marrie Jeanette franziu o cenho; a outra mulher empunhou a bengala com suas luvas negras.

— Toda visão tem um lado bom e um lado ruim... — disse a linda jovem, após ajustar a cartola sobre os longos cabelos, agora tolhidos e meticulosamente escondidos sob as abas. — Mas, e não me pergunte por quê, só posso revelar um dos lados. Quer escolher um?

— Quero.

— Qual dos dois?

— O bom, é claro.

— Todas escolhem o bom. Então eu lhe digo: você será famosa. Muito famosa. Os jornais falarão de você. Seu nome estará em milhares de livros.  Os séculos passarão e você jamais será esquecida.

Marrie Jeanette abriu os lábios num sorriso de pura felicidade. Por um breve instante, sentiu todo o glamour que a fama pode proporcionar. Mas, como sair da miséria e alcançar a glória, a imortalidade?

— Como posso saber se você fala a verdade?

— Não pode. Mas garanto que nunca errei.

E dirigiu-se à porta do sórdido quartinho.

Antes de bater a porta atrás de si, ouviu Marrie Jeanette dizer-lhe:

— Volte. Não se arrependerá.

A mina de ouro de cabelos dourados nunca mais voltou... Porque, no dia seguinte, Marrie Jeanette estava morta.

Se tivesse feito a outra escolha, saberia de antemão que seria barbaramente assassinada. Teria o seu ventre aberto e as vísceras removidas. Os seios seriam amputados; os braços, cravados por perfurações pontiagudas. Seu belo pescoço exibiria uma ferida medonha, profunda e sangrenta, cuja abertura permitiria o macabro vislumbre de ossos serrados. E o seu belo rosto estaria desfigurado pelos golpes cortantes, desferidos em todas as direções, e pelas hediondas mutilações: orelhas, nariz e bochechas habilmente removidos.

A vidente, contudo, não mentiu: Mary Jane Kelly — assim se chamava realmente a prostituta — foi a última das vítimas do monstro de Whitechapel. E o seu nome ficaria gravado, com rubro estilete, na carne da história, eternamente associado, como um coágulo indelével, ao mais famoso de todos os assassinos, cuja sombria identidade jamais se descobriu.

Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário