O HOMEM DO CÉREBRO DE OURO - Conto Clássico Fantástico - Alphonse Daudet



O HOMEM DO CÉREBRO DE OURO
Alphonse Daudet
(1840-1897)


Era uma vez um homem que tinha um cérebro de ouro. Sim, um cérebro todo de ouro. Quando ele veio ao mundo, os médicos acharam que a criança não sobreviveria, pois o sua cabeça era pesada e o crânio desproporcional ao corpo. No entanto, ele sobreviveu e cresceu sob o sol como uma bela oliveira. Mas a sua cabeçorra sempre o desequilibrava e dava pena vê-lo cochar-se com os móveis quando caminhava. Muitas vezes caiu. Certo dia, rolou do alto de uma escada, bateu com a testa num degrau de mármore e o seu crânio soou como um lingote. Pensaram que ele estivesse morto, mas, quando o levantaram, encontraram apenas um pequeno ferimento, com duas ou três gotinhas de ouro coagulado em seu cabelo louro. Foi assim que os pais descobriram que a criança tinha um cérebro de ouro.

A coisa foi mantida em segredo e o pobre menino de nada desconfiava. De vez em quando, ele perguntava por que não mais o permitiam correr com os meninos na rua.

— Porque poderiam roubá-lo, meu lindo tesouro — respondia-lhe a mãe.

Então o menino teve muito medo de ser roubado. Assim, tornava ele a brincar sozinho, sem dizer nada, arrastando-se pesadamente de um cômodo para o outro.

Somente aos dezoito anos os seus pais lhe revelaram o seu dom monstruoso, o presente do destino. E como ele os haviam criado e alimentado até então, pediram-lhe em recompensa um pouco de seu ouro. O rapaz não vacilou. No mesmo instante — como? De que forma? A lenda não diz —, extraiu do crânio um pedaço de ouro maciço, do tamanho de uma noz, e o jogou, orgulhosamente, ao regaço de sua mãe.

Depois, ofuscado pelas riquezas que levava na própria cabeça, louco de desejos e embriagado de poder, abandonou a casa paterna e se foi pelo mundo, dissipando o seu tesouro. Pelo modo de vida que levava, sempre semeando ouro, dir-se-ia que, realmente, o seu cérebro era inesgotável... No entanto, ele ia-se esgotando, e bem se via que seus olhos aos poucos se apagavam e a sua face se encovava. Finalmente, certo dia, na manhã seguinte a uma orgia louca, o infeliz, que ficara sozinho entre o que sobrara do festim e as lâmpadas que empalideciam, assustou-se com o enorme fosso que ele já cavara em seu lingote. Era a hora de parar.

A partir de então, foi uma nova existência. O homem do cérebro de ouro foi viver isolado, com o trabalho das próprias mãos, desconfiado e temeroso como um avarento, fugindo das tentações e procurando esquecer aquelas fatais riquezas que já não mais queria tocar... Infelizmente, um amigo o havia seguido em sua solidão e este amigo sabia de seu segredo.

Certa noite, o homem foi despertado, aos sobressaltos, por uma dor na cabeça. Uma terrível dor de cabeça. Acordou confuso e viu, ao raio do luar, o amigo que fugia, ocultando alguma coisa sob o casaco.

Outro punhado de cérebro que lhe era roubado!

Algum tempo depois, o homem se apaixonou e, desta vez, tudo se acabou... Ele amava com todas as forças de sua alma uma jovenzinha loura que também o amava, mas que preferia os pompons, as plumas brancas e as lindas borlas douradas a bater-lhe nas botinas. Entre as mãos desta criaturinha — meio pássaro, meio boneca —, as partículas de ouro se derretiam prazerosamente. Ela tinha todos os caprichos e ele nunca soube dizer não. Da mesma forma, com medo de desgostá-la, ele escondeu até o final os segredos de sua fortuna.

— Então, somos muito ricos? — perguntava ela.

— E o pobre homem respondia:

— Oh, sim. Muito... muito ricos!

E sorria amorosamente para o pequeno pássaro azul que inocentemente lhe comia o crânio. Algumas vezes, todavia, o medo se apoderava dele, e ele tinha a vontade de tornar-se sovina. Mas, então, a mulher vinha, saltitante, ao seu encontro, e lhe dizia:

— Tu és, meu marido, tão rico! Compra-me alguma coisinha bem cara.

E ele comprava para ela uma coisa bem cara. Isto durara dois anos. Certa manhã, a pequena mulher morreu, sem que se soubesse por quê, como um passarinho... O tesouro chegava ao fim. Com o que lhe restara, o viúvo mandou fazer um belo enterro para a sua querida. Sinos que repicavam, pesadas carruagens forradas de preto, penachos nos cavalos, lágrimas de prata nos veludos, nada lhe parecia belo o bastante. O que lhe importava agora o seu tesouro? Ele o distribuiu à igreja, aos carregadores e vendedores de flores. Espalhou-o por toda a parte, sem regatear... E, ao sair do cemitério, quase nada mais lhe restava naquele cérebro maravilho, salvo algumas partículas nas paredes do crânio.

Então viram-no andar pelas ruas, com o ar absorto, os braços caídos, cambaleando como um bêbado. De noitinha, à hora em que as lojas se iluminavam, parou à frente de uma ampla vitrine, na qual reluziam tecidos e ornamentos, e ali ficou a contemplar, demoradamente, duas botinas de cetim azul enfeitadas com penugem de cisne.

— Conheço alguém a quem essas botinas agradariam imensamente — disse a si mesmo, sorrindo, sem se lembrar de que a sua pequena mulher havia morrido. E entrou para compra-las.

Do fundo do balcão, a vendedora ouviu um grito. Correu e recuou, assustada, ao ver um homem que, de pé, apoiava-se ao balcão, a fitá-la com um olhar dolorosamente estúpido. Com uma das mãos, segurava as botinas azuis com ornatos de cisne e estendia a outra, toda ensanguentada, com fragmentos de ouro nas pontas das unhas.

Tal é a lenda do homem do cérebro de ouro. Apesar de parecer um conto fantástico, ela é verdadeira do princípio ao fim. Há por este mundo alguns desgraçados condenados a viver de seu cérebro e pagam em finíssimo ouro, com seu miolo e substância, as coisas mais insignificantes da vida. Para estas pessoas, todo dia é uma dor, e depois, quando estão cansados de sofrer...

Versão em português de Paulo Soriano.

Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário