UMA ESTRANHA APARIÇÃO - Narrativa Clássica Sobrenatural - Catherine Crowe

 


UMA ESTRANHA APARIÇÃO

Catherine Crowe

(1803 – 1876)

Tradução de Paulo Soriano

 

O Sr. Miles Peter Andrews estava em sua casa, em Dartford, quando Lord Littleton, seu amigo íntimo, faleceu em Pittplace, Epsom, a trinta milhas de distância.

 Na ocasião, a residência do Sr. Andrews estava cheia de convidados, e ele esperava que Lord Littleton, a quem havia deixado em seu estado normal de saúde, se juntasse ao grupo no dia seguinte, um domingo.

O Sr. Andrews, sentindo-se bastante indisposto na noite de sábado, retirou-se cedo para dormir, e pediu à Sra. Pigou, uma de suas convidadas, que fizesse as honras da mesa do jantar.

Ele admitiu (pois ele mesmo é uma autorizada testemunha nesta história) que, ao deitar-se, caiu em um sono febril, mas foi acordado, entre as onze e as doze horas da noite, por alguém abrindo as suas cortinas. O Sr. Andrews reconheceu naquela figura o amigo Lord Littleton, que então usava uma touca e roupas de dormir.

Lord Littleton afirmou que viera para dizer-lhe que tudo estava acabado.

Parece que Lord Littleton era chegado a umas brincadeiras, e, como o Sr. Andrews não tinha nenhuma dúvida de que seu visitante era o próprio Lord Littleton, em carne e osso, supôs que aquilo era um de seus gracejos. E, esticando o braço para fora da cama, apanhou o mais próximo de seus chinelos, e o arremessou contra o amigo. Então, a figura se retirou para um vestiário, cujo acesso somente era possível através do dormitório.

Diante disso, o Sr. Andrews pulou da cama para persegui-lo, com a intenção de castigá-lo ainda mais, mas não conseguiu encontrar vivalma em lugar nenhum, embora a porta do dormitório estivesse trancada por dentro.

Então, tocou a campainha e perguntou se alguém vira Lord Littleton. Ninguém o tinha visto. Conquanto a entrada e a saída de Lord Littletno em seu quarto representassem um enigma, o Sr. Andrews afirmou que o amigo certamente estava em sua casa. E, zangado com a suposta burla, ordenou que não lhe dessem cama, mas o deixassem ir dormir na pousada. No entanto, Lorde Littleton não apareceu mais, e o Sr. Andrews voltou a dormir, sem nutrir a mínima suspeita de ter visto uma aparição.

Aconteceu que, na manhã seguinte, a sra. Pigou teve a oportunidade de ir bem cedo a Londres. Lá estando, grande foi seu espanto ao saber que Lorde Littleton morrera na noite anterior. Imediatamente, despachou um telegrama para Dartford com a notícia do falecimento de Lorde Littleton. Quando recebeu a mensagem, o Sr. Andrews, até então perfeitamente saudável, ao lembrar-se de tudo o que havia acontecido, desmaiou.

Embora não encontrasse uma explicação para o ocorrido, aquele acontecimento produziu um grave feito em seu espírito. E, para usar sua própria expressão, não voltou, por três anos, a ser dono da própria razão. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O RETRATO OVAL - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O CORAÇÃO DELATOR. Conto clássico de terror. Edgar Allan Poe