O MAUSOLÉU DE COBURG - Narrativa Clássica Fúnebre - Sabine Baring-Gould



O MAUSOLÉU DE COBURG

Sabine Baring-Gould

(1834–1924)

 

Na extremidade leste do jardim da residência ducal de Coburg há um pequeno mausoléu, construído com bom gosto, adornado com temas alegóricos, no qual estão depositados os restos mortais dos duques falecidos. Perto do mausoléu, ergue-se um carvalho imponente, além de bosquedos de rododendros, acácias, teixos e salgueiros-chorões.

Uma plantação de pinheiros jovens esconde o mausoléu do Castelo de Coburg.

Apenas algumas semanas após seu retorno de Bruxelas, onde visitara seu filho, recentemente coroado rei dos Belgas, a duquesa Augusta de Sachsen-Coburg morreu no castelo aos setenta e seis anos[1], em 16 de novembro de 1831.  Uma multidão, atraída pela admiração e amor que a princesa inspirava, saiu em visitação a seu corpo, tal como estava na residência de Coburg, antes do funeral, que ocorreu no dia 19, antes do raiar do dia, à luz de tochas.

O funeral contou com a presença de homens e mulheres de todas as classes, ansiosos para expressar seu carinho à falecida e respeito pela família. Muita coisa fabulosa foi dita sobre aquele funeral.  Falava-se e acreditava-se que a duquesa viúva tinha sido colocada no mausoléu da família adornada com seus anéis de diamante e colares valiosíssimos.

Entre os que estiveram presentes no funeral da duquesa Augusta havia um bávaro, chamado Andreas Stubenrauch, um artesão, então residente em Coburg. Era filho de um armeiro, que seguiu a profissão do pai e se estabeleceu em Coburg como chaveiro. Era ele um homem peculiarmente feio, com sobrancelhas largas e caídas, cabelos castanho-escuros eriçados, sobrancelhas grossas e ocelos cinzentos e astutos. Seu nariz era achatado, muito largo, com narinas enormes; sua pele era pálida; tinha uma boca grande e o lábio inferior caído. Sua baixa estatura, sua falta de proporção na constituição corporal e suas feições incomuns davam-lhe a aparência de um homem estúpido. Mas, embora não fosse inteligente, não era de forma alguma um tolo. Seu caráter estava de acordo com sua aparência. Ele era um homem taciturno, maldoso e dissoluto.

Stubenrauch fazia parte da multidão que passou pelo leito em que repousava o corpo da duquesa. Ao transitar, lançou olhares cobiçosos às joias que adornavam a falecida. Também compareceu ao funeral e chegou à conclusão de que a duquesa fora sepultada com todos os artigos preciosos que a guarneciam, conforme expostos à vista de todos, e com muitas outras joias, colocados com ela no caixão, conforme diziam os burburinhos populares.

O pensamento de todo esse desperdício de riqueza aferrou-se à sua mente, e Stubenrauch resolveu entrar no mausoléu para furtar o cadáver. A posição da cripta adequava-se a seus planos, pois era muito afastada e escondida do palácio, e ele pouco se importava com fechaduras e grades, que provavelmente seriam obstáculo de pouca monta para um chaveiro talentoso.

Para executar o seu plano, decidiu-se pela noite de 18 a 19 de agosto de 1832. Naquela noite, bebeu numa taverna vulgar até as 10 horas. De lá, voltou aos seus aposentos, onde coletou as ferramentas que reputou úteis à façanha, uma vela, pederneira e aço. Então, dirigiu-se ao mausoléu.

Em primeiro lugar, achou necessário escalar um muro de tábuas que circundava a parte do terreno onde ficava o mausoléu. Depois, quando se postou diante do edifício, descobriu que, para efetuar uma entrada, seria mais difícil e demorado do que imaginara.

 

 

O mausoléu de Coburg

O mausoléu era fechado por um portão de ferro, formado por fortes barras de 2,5 metros de altura, que, guarnecidas de pontas afiadas, irradiavam de um centro em forma de semicírculo. Stubenrauch considerou que seria impossível abrir a fechadura, e, portanto, seria obrigado a pular o portão, independentemente do perigo de ferir-se nas hastes pontiagudas. Havia apenas um pequeno espaço entre as pontas e o arco da entrada, mas, através dele, ele conseguiu se esgueirar e, assim, chegar, sem se machucar, ao interior do edifício.

Aqui ele encontrou uma porta dupla, robusta, de carvalho, no vão que dava acesso à cripta. As duas folhas eram tão exata e estreitamente encaixadas uma na outra que ele encontrou a maior dificuldade para colocar uma ferramenta entre elas. Tentou, em vão, introduzir as suas chaves falsas na fechadura e, por muito tempo, seus esforços para abri-la com uma alavanca foram igualmente inúteis. Por fim, por meio de uma cunha, ele conseguiu abrir um caminho através da junção das portas, na qual poderia inserir uma barra, e, então, puxou uma das folhas com toda a força, jogando seu peso sobre a alavanca. Levou uma hora inteira antes que pudesse arrombar a porta. A meia-noite soou quando a porta, rangendo nas dobradiças, foi jogada para trás. Mas, agora, uma nova e inesperada dificuldade se apresentou. Não havia lance de escada descendo para a cripta, como ele havia previsto.

Mas Stubenrauch não era homem para se amesquinhar com as dificuldades. Escalou de volta os portões de ferro para a área livre e procurou uma vara longa e robusta com a qual poderia sondar as profundezas, a fim de saber que medidas tomar para descer. Correndo ao pomar ducal, ele amarrou e arrastou um galho partido de uma árvore frutífera até o mausoléu e, com considerável dificuldade, conseguiu passar pelo portal, que ele novamente superou com cautela e sem se ferir.

Então, inclinando-se sobre a abertura, segurando o galho com as duas mãos, esforçou-se em sentir a profundidade da cripta. Contudo, ao fazê-lo, perdeu o equilíbrio e o peso do galho o arrastou para baixo. Ele caiu entre dois caixões, cerca de quatro metros abaixo do piso da câmara superior. Lá ele ficou algum tempo inconsciente, atordoado com a queda. Quando voltou a si, sentou-se, tateou com as mãos para verificar onde estava e meditou sobre o que deveria fazer em seguida.

Sem pensar em como sairia daquela situação, pois, sem dúvida, dela se safaria, conhecedor que era da própria agilidade e aptidão para engendrar novos expedientes, pôs-se a trabalhar para cumprir seu desiderato. Com compostura, Stubenrauch fez lume e acendeu a vela. Feito isso, examinou o interior da cripta e os caixões que lá havia, para selecionar o correto. Os da duquesa Augusta e de seu marido, o falecido duque, eram muito parecidos, tanto que o rufião teve alguma dificuldade em decidir qual era mesmo o certo. Ele escolheu, no entanto, corretamente, o que lhe parecia mais novo e arrancou a capa preta. Embaixo dela, encontrou o ataúde muito sólido, fechado por duas fechaduras, que estavam tão enferrujadas que suas ferramentas não giravam sobre elas. Agora, ele não tinha consigo a barra de ferro e outros instrumentos, que ficaram na câmara superior. Com grande dificuldade, ele finalmente conseguiu quebrar uma das dobradiças, e, então, logrou romper a fechadura inferior, porquanto a de cima resistira a todos os seus esforços. No entanto, a dobradiça e a fechadura quebradas permitiram que ele levantasse a tampa o suficiente para vislumbrar o interior do féretro.  Pretendia inserir a mão e remover todas as joias que, supunha, faziam companhia à senhora morta. Para sua grande decepção, ele não viu nada, exceto os restos mortais da duquesa, cobertos por um bolor branco cintilante, que lhe parecia fosforescente. O corpo estava em veludo negro, e as mãos brancas e luminosas cruzadas sobre o peito. Stubenrauch não era homem para sentir respeito pelos mortos ou medo de qualquer coisa sobrenatural. Com as duas mãos, ele sustentava a pesada tampa do caixão, enquanto olhava para dentro, e a necessidade de usá-las para suportar o peso evitou que sua mão profana tocasse os restos mortais de uma princesa augusta e piedosa. De fato, Stubenrauch tentou mais de uma vez segurar a tampa com uma das mãos, para, com a outra, apalpar os tesouros que imaginava ali escondidos, mas, no instante em que ele removeu uma das mãos, a tampa desabou.

Frustrado em suas expectativas, Stubenrauch recolocou a tampa e começou a pensar em como poderia escapar dali. Mas, agora — e apenas agora —, ele descobriu que não lhe era possível sair da cripta em que havia caído. O galho em que ele depositava sua confiança era muito curto para alcançar a abertura acima. Todos os esforços despendidos por Stubenrauch para escapar foram em vão. Ele foi pego em uma armadilha — e que armadilha! Nêmesis caiu sobre o rufião de vez, na cena de seu crime, e o condenou a se trair.

Agora, pela primeira vez, um medo mortal apoderou-se dele — como afirmou mais tarde. Sentia medo porque previa a punição dos homens. Não o afligia o simples temor da ira dos espíritos daqueles cujos domínios ele havia violado. Quando se convenceu de que a fuga era totalmente impossível, ele se submeteu ao inevitável; deitou-se entre os dois caixões e tentou dormir. Mas, como ele mesmo admitiu, não conseguiu dormir profundamente.

Chegou a manhã. Era domingo e havia uma especial festividade em Coburg, pois era o vigésimo quinto aniversário da ascensão do duque, de modo que a cidade estava em grande comoção, e o parque e o palácio também estavam agitados.

Stubenrauch sentou-se e esperou. Alimentava-o a esperança de ouvir alguém se aproximar, alguém que pudesse libertá-lo. Por volta das nove horas da manhã, ouviu passos no cascalho e, imediatamente, começou a gritar por socorro.

A pessoa que se aproximou saiu correndo, alarmada, declarando que ruídos estranhos e sobrenaturais vinham do mausoléu ducal. O guarda foi avisado, mas, a princípio, não acreditou na história. Por fim, uma das sentinelas foi despachada para o local, e ela voltou rapidamente com a notícia de que, certamente, havia um homem na cripta. Ele espiou pela grade da entrada:  viu a porta arrombada, um pé-de-cabra e outros utensílios espalhados.

O portão foi aberto e Stubenrauch removido em meio a uma multidão furiosa e espectadores consternados. Foi conduzido à prisão, julgado e condenado a dezoito meses de trabalhos forçados.

Esse não é o fim da história. Após sua soltura, Stubenrauch nunca se apegou a um trabalho regular. Em 1836, ele foi preso por roubo e, novamente, sob a mesma acusação, em 1844. No ano de 1854, ele foi encontrado morto num pequeno bosque perto de sua casa. Entre os dedos da mão direita havia uma pitada de rapé e, na mão esquerda, uma pistola com a qual ele havia estourado os miolos. Em seus bolsos foram encontrados uma bolsa e uma garrafa de conhaque, ambas vazias.

 

A presente narrativa é uma versão condensada de “The Coburg Mausoleum”, de 1891.

Tradução e adaptação de Paulo Soriano.



[1] Na verdade, aos 74 anos. Augusta era avó materna da rainha Vitória do Reino Unido e mãe de Leopoldo I da Bélgica. 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O GATO PRETO - Conto Clássico de Terror - Edgar Allan Poe

O CORAÇÃO DELATOR. Conto clássico de terror. Edgar Allan Poe

O SENHOR DA MORTE - Conto Clássico Fantástico - Flora Annie Steel

ENGRAVIDADA PELO DEMÔNIO - Conto Clássico de Terror - Thomas Bromhall